THE HORNETS SELECT…

Anthony Davis: o “monocelha” é a única certeza que nós temos

* Por Lucas Ottoni

Após destacar os principais jovens que deverão concorrer à 10ª escolha no NBA draft de daqui a pouco, o Brazilian Hornet quer saber as opiniões do pessoal. Votem na enquete aí embaixo e selecionem o jogador que vocês julgam ideal para o New Orleans Hornets!

OBS 1: Se for possível, expliquem o porquê da escolha lá embaixo, nos comentários. Assim, poderemos debater. A minha escolha, e o motivo, já estão explicados lá.

OBS 2: Na enquete anterior, nós perguntamos o que o Hornets deveria fazer com essa 10ª escolha do draft. Até o momento, foram computados 55 votos, e a maioria esmagadora de 43.64% (24 votos) deseja que os zangões selecionem um armador (PG). Logo em seguida, com 14 votos (25.45%), vem o pessoal que gostaria que a escolha fosse trocada. Na rabeira, tivemos 7 votos querendo um ala (SF), 5 atrás de um pivô (C), 3 de um ala-armador (SG) e apenas 2 buscando um ala-pivô (PF). Portanto, se depender dos leitores do BH, veremos um Damian Lillard ou um Kendall Marshall vestindo o boné do Hornets daqui a pouquinho. Será?

* TUDO SOBRE O DRAFT: O BH vai passar todas as informações do evento desta noite através do nosso Twitter. As escolhas começarão a ser anunciadas a partir das 20h (de Brasília). Então, fica o convite: siga tudinho conosco!

* ANTHONY DAVIS 1: O ala-pivô – que será selecionado pelo Hornets com a 1ª escolha no draft de daqui a pouco – teria registrado (trademark) em seu nome duas frases a respeito de sua peculiar característica: a monocelha. Ele se “apossou” das expressões “Fear The Brow” (Tema a sobrancelha) e “Raise The Brow” (Aumente a sobrancelha). O motivo alegado pelo jogador foi o de que “isso é algo muito único” e que não deve ser comercializado ou divulgado por aí sem a sua autorização.

* ANTHONY DAVIS 2: No início desta semana, ele participou de um programa televisivo nos EUA e deu um show de simpatia, bom humor e – como não poderia deixar de ser – muita categoria! Confiram aqui o vídeo e divirtam-se com o nosso futuro ala-pivô!

ESTÁ CHEGANDO A HORA…: Bom draft para todos! E boa sorte para o nosso Hornets!

Anúncios

OS CANDIDATOS À 10ª ESCOLHA

O mistério para os fãs do Hornets chega ao fim hoje à noite

* Por Lucas Ottoni

Olá, amigos. Hoje é o grande dia! O dia em que saberemos quem serão os jovens que o New Orleans Hornets escolherá no NBA draft de 2012. O evento imperdível acontece logo mais, às 20h (de Brasília), em New Jersey. Como vocês já devem saber, a franquia da Louisiana possui a 1ª, a 10ª e a 46ª (fruto da transação com o Washington Wizards) escolhas. Ao olharmos para elas, temos apenas uma certeza: o talentosíssimo ala-pivô Anthony Davis será o primeiro jogador chamado pelo comissário David Stern, ou seja, ele se tornará um zangão com a 1ª escolha da noite. Portanto, o grande mistério para nós reside na pick number 10.  Quem o Hornets irá escolher?  Dúvida cruel essa, não é mesmo? Bem, se a equipe selecionar com sabedoria, teremos uma dupla de jovens que poderá causar um enorme impacto para o futuro da franquia. Por outro lado, a 46ª escolha não tem a mesma importância, embora possa nos trazer um jogador útil. Mas vamos focar as nossas atenções naquilo que realmente interessa no momento, isto é, o 10º jogador que o Stern irá chamar na noite de hoje…

Primeiramente, vale dizer que o Hornets realizou treinamentos com 27 jovens (quase todos universitários) no Alario Center – as observações começaram no dia 4 de junho e terminaram na tarde de ontem, véspera do draft. Esses treinos pré-draft, conhecidos pelo nome de Workouts, servem para que a franquia elimine as suas últimas dúvidas a respeito de um ou outro jogador e possa estar segura em relação a quem escolher na noite de hoje. Ao que parece, a ideia do técnico Monty Williams e do GM Dell Demps é mesmo selecionar dois desses 27 atletas observados usando as escolhas de número 10 e 46. Então, cabe a nós destacar aqui os principais nomes dos Workouts realizados pelos zangões em busca do candidato ideal à 10ª escolha. Muito provavelmente, um dos mancebos listados abaixo será o agraciado com um boné do Hornets.

Antes de começar a apresentar os nossos ilustres candidatos, eu gostaria de dar um crédito ao ótimo site nacional Jumper Brasil. Eles realizaram um trabalho magnífico analisando os principais prospectos do draft de 2012, e eu vou usar e abusar de tais análises para deixar o nosso post o mais objetivo possível, ok? Feita a consideração, vamos ao que interessa…

– Candidatos à nossa 10ª escolha:

* Tyler Zeller: O pivô da Universidade de North Carolina é um jogador pronto para a NBA e seríssimo candidato a essa nossa 10ª escolha. Após passar quatro longos anos se desenvolvendo em um dos sistemas mais fortes do basquete universitário americano, Zeller adquiriu uma série de qualidades, sobretudo ofensivas – com destaque para os rebotes, o jogo de costas para a cesta e os ganchos. Possui também um bom arremesso (inclusive nos lances livres) e tem ótima mobilidade para um jogador da posição 5. No entanto, não é muito atlético e precisa urgentemente ganhar mais força física para bater de frente com os pivôs profissionais. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 16.3 pontos, 9.6 rebotes, 0.9 assistência, 0.9 roubo, 1.5 bloqueio, 1.9 TO, 55.3% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 80.8% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: Eu vejo o Zeller como um ajuste muito bom para o nosso time. Inclusive, é o cara que eu escolheria, caso fosse o GM do Hornets. Um pivô com a maturidade e as qualidades ofensivas que ele possui não é algo que se encontre em qualquer esquina. E o Hornets carece demais de talento ali embaixo da cesta.  Além disso, o Zeller tem um jogo que pode muito bem se complementar ao do nosso futuro ala-pivô Anthony Davis, que é um defensor nato. Aposta segura.

* Austin Rivers: Esse ala-armador da Universidade de Duke foi um dos jogadores que mais teriam agradado nos Workouts promovidos pelo Hornets. Filho do técnico Doc Rivers (Boston Celtics), ele compensa a baixa estatura para a posição (1,93m) com uma combinação de velocidade, condição atlética e boa envergadura. É insinuante, muito agressivo atacando a cesta e sabe criar o próprio arremesso. Contudo, não é um excepcional defensor e também possui um “chute”, por vezes, inconsistente. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 15.5 pontos, 3.4 rebotes, 2.1 assistências, 1.0 roubo, 2.3 TO, 43.3% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 36.5% de acerto nos tiros de 3 pontos, 65.8% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: O fato de o Rivers poder jogar em duas posições (1 e 2) o torna um jogador bastante interessante para o Hornets. Eu vejo ele como um reserva muito bom para o Eric Gordon, além de um cara que poderia eventualmente ajudar na armação, embora não seja a sua especialidade. A agressividade no ataque é algo que faz do Rivers um nome a ser considerado, pois é bem nítido que o atual elenco dos zangões carece de talento ofensivo.

* Meyers Leonard: Aí está mais um pivô observado pelo nosso Hornets. Produto da Universidade de Illinois, Leonard é um jogador com boa estatura, envergadura e condição atlética. Além disso, possui um arsenal ofensivo bem interessante e tem como marca registrada um gancho eficaz com a mão direita. Não chega a ser um desastre arremessando de média distância e tem um controle de bola incomum para atletas da posição 5. O problema é a sua defesa, que individualmente deixa muito a desejar, e a sua dificuldade em apanhar rebotes. Precisa de paciência para desenvolver o seu jogo. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 13.6 pontos, 8.2 rebotes, 1.3 assistência, 0.5 roubo, 1.9 bloqueio, 2.1 TO, 58.4% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 73.2% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: Eu acredito que o Leonard está alguns degraus abaixo do Tyler Zeller. Apesar de ser mais atlético – algo que é importante na NBA -, ele não possui o conjunto de habilidades do pivô de North Carolina. Diante desse panorama, o Leonard seria uma espécie de plano B, caso o Hornets queira muito um pivô, e o Zeller não esteja mais disponível na 10ª escolha. Mas isso é apenas a minha opinião, ok?

* John Henson: Mais um prospecto da Universidade de North Carolina, o ala-pivô John Henson é um defensor bastante ágil e eficiente. Bloqueia muito bem e utiliza o seu tamanho e a sua ótima envergadura para apanhar rebotes. No entanto, a sua magreza é deveras preocupante, ainda mais em se tratando de uma liga como a NBA, que exige fisicamente do atleta. Além disso, precisa aperfeiçoar o arremesso de média distância e melhorar o aproveitamento na linha de lance livre, que deixa a desejar. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 13.7 pontos, 9.9 rebotes, 1.3 assistência, 0.6 roubo, 2.9 bloqueios, 1.3 TO, 50.0% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 51.1% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: O Henson deverá ser um reserva na NBA, e não mais que isso. É um bom defensor, mas carece de habilidade ofensiva e precisa ganhar corpo com urgência. Honestamente? Ele é o tipo de jogador que eu não escolheria, ainda mais sabendo que o Anthony Davis será um zangão.

* Jeremy Lamb: O talentoso ala-armador da Universidade de Connecticut também marcou presença nos Workouts promovidos pelo Hornets. Ele é um jogador bastante promissor, bem completo, com uma ótima defesa e agressividade no ataque. Possui um bom arremesso (embora não seja excelente) e grande facilidade para encontrar a cesta. No entanto, tem fama de ser preguiçoso e não muito profissional.  Além disso, não é o tipo de jogador que costuma criar para os companheiros. Temos aqui uma aposta de risco. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 17.7 pontos, 4.9 rebotes, 1.7 assistência, 1.2 roubo, 0.6 bloqueio, 2.0 TO, 47.8% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 33.6% de acerto nos tiros de 3 pontos, 81.0% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: O problema aí é a cabeça. Apesar do talento, o Lamb não me parece ser o tipo de cara com espírito de equipe. Além disso, essa fama de preguiçoso e pouco comprometido é algo preocupante e que não combina com o alto profissionalismo da NBA. Mesmo tendo um potencial enorme, é um jogador que – infelizmente – levanta sérias suspeitas quanto ao seu futuro entre os profissionais. Eu não o escolheria.

* Kendall Marshall: Temos aqui outro jovem da Universidade de North Carolina. Pode-se dizer que Marshall é uma espécie rara: um armador puro, que prioriza o passe e detém excepcional visão de quadra e inteligência. Costuma ditar o ritmo do time, sempre buscando um companheiro melhor posicionado. Suas decisões dentro dos jogos são nada menos que excelentes. Além disso, ele é alto para a posição (1,93m) e possui um corpo forte, capaz de suportar o contato físico do basquete profissional. Todavia, o seu atletismo é abaixo da média. Não possui a explosão e a velocidade comuns a muitos jogadores da posição, o que dificulta demais as suas atuações, principalmente como defensor. Também não é dono de um arremesso dos mais certeiros. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 8.1 pontos, 2.6 rebotes, 9.8 assistências, 1.2 roubo, 2.8 TO, 46.7% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 35.4% de acerto nos tiros de 3 pontos, 69.6% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: Eu gosto muito desse jogador e penso que ele cairia bem na armação do Hornets. Apesar de os combo guards (atletas explosivos que atuam nas posições 1 e 2) estarem ganhando um enorme espaço na NBA, não há nada mais legal do que ver um armador puro ditando o ritmo dos jogos. Integrante dessa espécie em extinção, o Marshall é o cara que eu escolheria, caso o Zeller não mais esteja disponível.

* Clique aqui e veja quem são os principais prospectos do draft de 2012

– Casos especiais:

OBS: Vamos listar abaixo dois atletas que não participaram dos Workouts promovidos pelo Hornets, mas que poderão ser selecionados, caso estejam disponíveis para a 10ª escolha.

* Damian Lillard: O armador da pouco conhecida Universidade de Weber State vem sendo bastante badalado nos últimos dias. E motivos não faltam: é um pontuador nato e possui uma combinação de atributos físicos e versatilidade ofensiva. Só para resumir, o Lillard é dono de um arsenal vasto quando se trata de atacar a cesta, além de apresentar um arremesso muito eficiente. E isso tem impressionado algumas equipes. Por outro lado, a sua capacidade de armação de jogo é bem limitada. Ele não é o tipo de jogador que envolve a equipe e torna os companheiros melhores – o que pode ser considerado um defeito grave. No mais, é um defensor apenas razoável. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 24.5 pontos, 5.0 rebotes, 4.0 assistências, 1.5 roubo, 2.3 TO, 46.7% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 40.9% de acerto nos tiros de 3 pontos, 88.7% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: É bem provável que o Lillard seja selecionado antes da 10ª escolha, mas isso não é uma certeza. Se ele sobrar até lá, eu acredito que o Hornets pense seriamente em pegá-lo, mesmo sem tê-lo observado no Alario Center. Na minha visão, esse é o tipo de jogador imprevisível, que poderá se tornar uma sensação ou uma decepção dentro da NBA. A linha aí parece tênue. Entre ele e o Marshall, eu ficaria com o armador de North Carolina.

* Andre Drummond: O enorme pivô da Universidade de Connecticut é a principal aposta de risco do draft desta noite. Dono de um invejável atletismo, o jovem Drummond possui todos os atributos físicos para reinar por muitas temporadas dentro do garrafão na NBA. Aliás, ele provou ser um ótimo defensor, utilizando o seu corpo e os braços longos para proteger bem a cesta e distribuir tocos. Entretanto, quando o assunto passa a ser o ataque, o grandalhão é quase que uma negação. Vamos lá: movimentos de costas para uma cesta? Inexistentes. Coordenação?  Nenhuma. Trabalho de pernas? Pouco desenvolvido. O fato é que a maior parte de sua pontuação vem da imposição física e atlética sobre os oponentes (algo que tende a funcionar em escala muito menor no basquete profissional). Resumo da ópera: a franquia que o selecionar precisará ter muita paciência para desenvolver todo o seu potencial. E não há garantia alguma de que ele se tornará o colosso dominante que alguns imaginam que possa vir a ser. Risco, risco e mais risco aqui. Confira a ficha técnica e o vídeo.

Médias em 2011-12: 10.0 pontos, 7.6 rebotes, 0.4 assistência, 0.8 roubo, 2.7 bloqueios, 1.5 TO, 53.8% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 29.5% de acerto nos lances livres.

Opinião do BH: É um jogador muito cru em termos ofensivos e não teve uma temporada de sucesso em Connecticut. Vai precisar de alguns anos de trabalho duro na NBA para mostrar do que é capaz. Há alguns meses, era absolutamente impensável encontrar o Drummond disponível na 10ª escolha. Porém, a falta de capacidade técnica do jovem poderá fazer com que ele despenque no evento desta noite. E se isso ocorrer, cabe ao Hornets avaliar se vale a pena esperar temporadas e mais temporadas até que o Drummond esteja pronto para deslanchar (e isso pode nem sequer acontecer). Eu acho arriscado demais.

– Os azarões:

* Vamos listar aqui alguns jogadores que treinaram com o Hornets, mas (segundo se especula) possuem chances muito reduzidas de serem agraciados com a nossa 10ª escolha: Terrence Jones, Arnett Moultrie, Jared Sullinger, Perry Jones III, Evan Fournier, Tony Wroten Jr.Terrence Ross.

Opinião do BH: Honestamente? Não vejo aí nenhum atleta que tenha o que o Hornets precisa em uma escolha Top 10. Talvez, o promissor ala-pivô Jared Sullinger fosse um nome interessante. Entretanto, ele sofre com uma persistente lesão nas costas, além de ser um jogador pesado e pouco atlético. Inevitavelmente, cairá nas projeções.

– Candidatos à nossa 46ª escolha:

* Vamos listar aqui alguns jogadores observados pelo Hornets e que (teoricamente) concorrem à escolha de número 46: Matt PresseyNihad Djedovic, Justin Hamilton, Marcus DenmonTornike Shengelia, Robert Sacre, Dee Bost, Dusan Cantekin, Henry Sims e Quincy Roberts.

Opinião do BH: Sinceramente, eu não conheço muito a turma aí de cima e não faço a menor ideia de quem poderá despontar como a nossa 46ª escolha. Na verdade, eu gostaria que pegássemos o armador Scott Machado, da Universidade de Iona. Filho de brasileiros, ele tem uma enorme qualidade como passador e é muito bom atuando em transição. Poderia ser um belo roubo nosso. Contudo, eu acho que ele será selecionado um pouco antes da pick number 46. Uma pena.

Prontinho. Agora vocês já sabem mais ou menos o que o New Orleans Hornets tem em mente (ou não) para o draft de logo mais. Só nos resta ficar na torcida para que os zangões escolham sabiamente e possam adquirir jogadores que deem um significado positivo ao futuro da franquia. E que a noite de hoje seja o início de uma caminhada rumo ao título da NBA. Eu acredito! E você?

UM MOVIMENTO NECESSÁRIO

Emeka Okafor e Trevor Ariza foram enviados para o Washington Wizards

* Por Lucas Ottoni

Bom, eu sei que isso tem cheiro de semana passada, mas como foi um acontecimento importante para o futuro da franquia, a gente vai falar um pouquinho sobre a troca envolvendo o nosso querido New Orleans Hornets e o Washington Wizards. A minha demora tem uma explicação: eu estive viajando por uns dias e sobrou muito pouco tempo para me dedicar ao BH, então é hora de correr atrás do prejuízo e analisar o que as saídas de Trevor Ariza e Emeka Okafor poderão representar para os zangões. O surpreendente (eu não esperava) comércio entre Hornets e Wizards foi sacramentado na última quarta-feira (20/06) e consiste no seguinte:

– O Wizards recebe: Trevor Ariza + Emeka Okafor

– O Hornets recebe: Rashard Lewis + a 46ª escolha no draft de 2012

Vocês, parceiros que acompanham o Brazilian Hornet há algum tempo, sabem que eu sempre fui a favor de trocarmos o Okafor (Aleluia!). E também sabem que eu nunca considerei o Trevor Ariza um jogador essencial ao elenco do Hornets, embora ele seja um defensor de perímetro dos mais eficientes. Isto posto, eu só posso dizer que a troca foi maravilhosa para a franquia da Louisiana! Quanto ao Wizards, eles receberam dois atletas que certamente irão tornar o time muito melhor defensivamente e com chances de lutar por um lugarzinho entre os Top 8 do Leste. Mas voltemos ao Hornets…

* Veja aqui a retrospectiva de Trevor Ariza em 2011-12

Agora que vocês já sabem que eu gostei demais da troca, vou explicar os motivos do meu entusiasmo. Em primeiro lugar, o Emeka Okafor iria comer U$ 13,5 milhões da folha salarial do Hornets na próxima temporada – e mais U$ 14,5 milhões em 2013-14.  São ganhos altíssimos para um pivô que esteve por 3 anos em New Orleans e nunca mostrou a consistência que dele se esperava. Em segundo lugar, vem o ala Trevor Ariza e o seu salário de U$ 7,3 milhões. Honestamente? Eu não acho que os vencimentos do Ariza sejam tão absurdos assim. No entanto, (repetindo) ele não é um jogador essencial aos zangões, e é muito melhor ceder ele do que uma escolha nº 10 (como se especulava) no comércio com a turma de Washington, concordam? Então, ao realizar essa jogada, o Hornets estaria liberando uma nota preta de sua folha de pagamentos. Calma, eu disse ESTARIA

Rashard Lewis deverá ser dispensado

Sim, chegou o momento de olharmos para o decadente ala Rashard Lewis e o seu absurdo contrato expirante de U$ 23,8 milhões a serem pagos em 2012-13. Um disparate, não é mesmo? Pois bem, ao receber o jogador do Wizards, o Hornets teria de arcar com essa enormidade de dinheiro na próxima temporada. Ah, mas eu disse TERIA… E é aí que entra o detalhe que deixa essa transação ainda melhor para a galera da Louisiana: na NBA, é possível se utilizar de uma prática conhecida pelo nome de Buyout. Ok, mas que diabos é isso? Eu explico: o Buyout acontece quando um jogador e o seu time entram em um acordo para que uma certa quantia do salário dele seja paga de uma vez. Dessa forma, o atleta seria dispensado da equipe sem mais nenhuma obrigação contratual, sacaram? Então, sanada a dúvida, é praticamente certo que deverá rolar um Buyout entre o Hornets e o Lewis. Os zangões se comprometeriam a pagar uma quantia de U$ 13,7 milhões do salário do jogador e o dispensariam até o dia 1º de julho. Com essa economia, a franquia de New Orleans terá uns U$ 10 milhões de dólares a mais disponíveis na folha salarial – além do alívio financeiro com as saídas dos contratos de Okafor e Ariza!

* Clique aqui e veja a atual folha de pagamentos do Hornets

Imaginem só: além de não arcar mais com os pesadíssimos valores da dupla Mek e Trevor, o Hornets pagará ao Lewis “apenas” 13,7 dos U$ 23,8 milhões estipulados em contrato e o dispensará. Isso é uma economia tremenda e abre uma flexibilidade enorme para os zangões “atacarem” o mercado de agentes livres! Foi uma excelente jogada do nosso GM, o Dell Demps. Pois o Hornets não apenas se livrou do contrato horrível do Okafor (sem precisar se desfazer da nossa 10ª escolha para isso), como também economizará uma bela grana e receberá ainda a escolha nº 46 (quem sabe não pinta alguém útil aí?). É impossível não gostar do que foi feito! Na verdade, eu considerei essa troca como um movimento necessário para que a franquia obtenha sucesso nos próximos anos. Pense em se livrar dos contratos ruins e conseguir uma boa flexibilidade na folha salarial para reforçar o elenco. E o mais importante: ter tranquilidade (e dinheiro) para igualar qualquer proposta pelo Eric Gordon na agência livre e mantê-lo em New Orleans.  Quer algo mais necessário que isso?

OBS: Não podemos deixar de agradecer a Trevor Ariza e Emeka Okafor pelos anos de serviços prestados ao New Orleans Hornets. Eu desejo que eles tenham sucesso em Washington e sigam as suas carreiras da melhor forma possível. Boa sorte a ambos!

* PROMESSA É DÍVIDA: Ainda falaremos sobre os jovens que poderão ser agraciados com a 10ª escolha (e agora a 46ª também) no draft de 2012, o aguardado evento que ocorrerá na noite desta quinta-feira (28/06). Até lá o post sai, podem ficar sossegados.

* ALGUMAS SITUAÇÕES: O pivô Chris Kaman se tornará agente livre irrestrito, e o Hornets não deverá reassinar com ele. Já o ala-pivô Carl Landry – que também será agente livre irrestrito – disse que gostaria de permanecer em New Orleans. Mas eu, pessoalmente, não acredito na possibilidade.

* FOX SPORTS NEW ORLEANS: O Hornets acaba de fechar um acordo com o canal a cabo Fox Sports para a transmissão de 75 jogos (número que pode variar) do time na próxima temporada. Pela parceria, a franquia deverá receber cerca de U$ 10 milhões por ano. A ideia é aumentar o número de telespectadores americanos que possam ter acesso aos jogos dos zangões (inclusive, via satélite). Para mais informações, clique aqui.

* HEAT CAMPEÃO: A equipe de Miami conquistou o título da temporada 2011-12 da NBA de forma merecidíssima, diga-se de passagem. Com LeBron James jogando o fino, o Oklahoma City Thunder não deu nem para a saída. Eu confesso que esperava uma série final mais equilibrada. Mas o placar de 4 a 1 indica que o troféu está em muito boas mãos.

* TYLER ZELLER: Você é fã do Hornets? Então, é bom guardar o nome dele…