“ELES SERÃO ASSUSTADORES”

Foto do Tony Parker abrindo o post?! Sim, há um motivo…

* Por Lucas Ottoni

O jovem time do Hornets teve uma atuação animadora estreando na temporada 2012-13 da NBA, mas não deu. Acabamos derrotados pelo forte e experiente San Antonio Spurs, ontem, lá na New Orleans Arena. Restando 50 segundos para o fim, os zangões venciam por 95 a 94, mas o armador francês Tony Parker acertou um “chute” de três pontos para virar o placar. Mais calejada, a equipe texana apertou a marcação, induziu os anfitriões ao erro e saiu de quadra com uma vitória suada: 99 a 95. Há motivos para decepção? Nenhum. A verdade é que o Hornets jogou muito bem na noite de Halloween, apresentou uma boa defesa, jogadas rápidas em transição e brindou o público presente na Colmeia (aliás, mais uma vez nós vimos assentos vazios) com belos lances como esse:

Falando sobre a partida, o Hornets chegou a liderar o placar por 11 pontos no 2º quarto, e iria para o intervalo vencendo por 10, se o limitado ala-pivô Matt Bonner não tivesse acertado um arremesso de três no estouro do cronômetro (é a única coisa que esse sujeito sabe fazer dentro de uma quadra de basquete, azar o nosso). Depois, tivemos aquela tradicional queda de rendimento no 3º quarto e permitimos a virada do Spurs. Mas nos reencontramos no jogo e levamos a disputa equilibrada até o fim, quando a experiência e a frieza dos texanos falaram mais alto. Eu poderia ficar aqui lamentando a ausência do Eric Gordon – que continua dizendo que está com o joelho ruim e não tem previsão para atuar – ou poderia dizer que fulaninho jogou bem ou que sicrano  foi mal. Só que eu prefiro exaltar o bom trabalho que fizemos ontem. O renovado time do Hornets perdeu “só” para a equipe de melhor campanha do Oeste na temporada passada, que chegou a ficar mais de 20 partidas sem perder, que varreu o ótimo Los Angeles Clippers de Chris Paul e Blake Griffin nos playoffs e que possui o treinador que é aclamado por muitos como o melhor da NBA (Gregg Popovich). Então, não tem como lamentar nada e nem apontar culpados para essa derrota, que era tão esperada quanto aceitável. Perdemos, mas jogamos um ótimo basquete. E isso é o importante aqui. Somos 0-1, mas deixamos uma impressão muito positiva. Que venha o próximo duelo…

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida contra o Spurs

Pensa que acabou? Nada disso! A gente precisa destacar os elogios que o pessoal da ESPN – que transmitiu o jogo para o Brasil – direcionou ao jovem time do Hornets. Em especial, o comentarista Eduardo Agra. Isso é muito legal e enche de alegria os fãs dos zangões aqui na Pátria Amada. Os mais elogiados foram o nosso ala-pivô fantástico Anthony Davis (21 pontos e 7 rebotes), o ala Al-Farouq Aminu – que teve uma atuação surpreendente! – (17 pontos, 7 rebotes, 3 assistências, 2 roubos e 3 bloqueios) e o armador Greivis Vasquez (13 assistências, uma mais linda que a outra). Os grandalhões Jason Smith (como eu gosto desse cara!), Ryan Anderson e Robin Lopez também foram citados. Mas o melhor, eu deixo para o final. Vejam o parágrafo abaixo

Após o jogo, o excelente armador Tony Parker, um dos destaques do Spurs (23 pontos e 6 assistências), disse o seguinte: “Ele (Anthony Davis) é muito talentoso, e eles (Hornets) serão assustadores nos próximos 2 ou 3 anos“. Pronto, encerro por aqui.

No vídeo abaixo, os highlights da estreia dos zangões:

* ERIC GORDON: O que falar desse sujeito? Após o jogo de ontem (ele foi vaiado pelo público, quando a sua imagem apareceu no telão do ginásio), o cara disse que está muito frustrado por causa do joelho que ainda o limita, mas que está ansioso para jogar pelo Hornets e fazer parte do nosso futuro de sucesso. Perfeito, não é mesmo? Mas olhem o que o jornalista John Hollinger escreveu em seu chat: “Algo não está certo lá (em New Orleans), com certeza. É extremamente raro um treinador basicamente dizer em voz alta que os médicos pensam que o cara está bem, mas que ele ainda não vai jogar“. Tirem as suas próprias conclusões…

* AUSTIN RIVERS: Diferentemente do restante do time, o garoto não fez uma boa estreia ontem. Ele parecia nervoso e se cobrava demais quando errava. Contudo, ele quer jogar. A gana, o profissionalismo e a ética de trabalho do rapaz são invejáveis e deveriam servir de exemplo outros jogadores, não é mesmo? Vale lembrar que ele machucou o mesmo tornozelo em dois jogos diferentes na última semana, mas fez questão de estrear com o time e de dar a sua contribuição em quadra. Portanto, é merecedor de todos os elogios.

* Leia aqui o pós-jogo do site Spurs Brasil

* TIM DUNCAN: Como joga esse ala-pivô do Spurs! Aos 36 anos, ele continua em excelente nível e mostra que, de fato, é um dos maiores alas-pivôs da NBA em todos os tempos. Ontem, contra o nosso Hornets, (infelizmente!) foram 24 pontos, 11 rebotes, 3 assistências e 3 bloqueios. Um monstro!

* OUTRA NOVIDADE: Amanhã é dia de jogo dos zangões, né? Então, teremos um post rápido e uma surpresinha para vocês. Aguardem!

Anúncios

QUEM VOCÊ ESCOLHERIA?

Jarrett Jack encara o Tim Duncan. E o brasileiro Tiago Splitter só observa...

* Por Lucas Ottoni

Na noite da última segunda-feira (23/01), o New Orleans Hornets (3-14) fez uma de suas melhores partidas na temporada, mas acabou perdendo o seu oitavo jogo consecutivo. E, novamente, por apenas 2 pontos de diferença. O veterano, mas não menos genial, Tim Duncan mostrou que ainda tem muita lenha para queimar e foi o responsável direto pela vitória do San Antonio Spurs (11-7), em plena New Orleans Arena: 104 a 102. Com 28 pontos, 7 rebotes e uma bela atuação, o ala-pivô fez a cesta que garantiu o triunfo dos texanos, nos segundos finais. Os zangões ainda tiveram a última bola e tentaram responder, mas não trabalharam bem a jogada derradeira e viram Carl Landry (ele voltou mesmo!) errar o arremesso de três pontos. Mais um tropeço nos detalhes. E no Spurs, além de Duncan, nós vimos também as 17 assistências do armador francês Tony Parker, a melhor marca de sua carreira. Confere aí os highlights desse jogão:

O resultado mantém o Hornets isolado na lanterna da Conferência Oeste, é claro. No entanto, o que observamos foi um time que, mais uma vez, jogou de igual para igual com o adversário. Aliás, pela primeira vez na temporada, nós conseguimos ultrapassar a marca dos 100 pontos em uma partida, e a nossa defesa também não fez feio. Os zangões são um time que vende caríssimo as suas derrotas. O problema é que isso não resolve nada. Vencer, de vez em quando, também é legal, e não podemos nos desacostumar a isso. Olhando para o Tim Duncan em quadra, eu fico imaginando como seria se o Hornets tivesse um All-Star de primeiríssima grandeza para jogar ao lado do Eric Gordon. Mesmo aos 35 anos (quase 36), Duncan mostra o gigante que é. Quem é craque, não desaprende. A idade chega, mas o talento continua ali, intacto. E foi o talento do Duncan que, mais uma vez, nos roubou a vitória. Talento, talento, talento…

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida

* Veja aqui o pós-jogo do blog Spurs Brasil (é nosso rival, mas é bem bacana)

No meu mundo perfeito, o Hornets teria o direito de escolher qualquer jogador da NBA para reforçar o seu elenco. Um privilégio, digamos assim, por ser a única equipe de propriedade da liga. Tudo bem, o meu mundo perfeito beira a insanidade, eu sei, mas digamos que isso pudesse acontecer. A NBA vira para o nosso GM, Dell Demps, e diz: “Meu filho, vai lá e escolhe qualquer jogador da nossa liga. Qualquer um. É só escolher. Ele é seu”. E é aí que entra a palavra TALENTO. É óbvio que se fosse o Demps, você iria olhar para o cara mais talentoso, aquele que ganha jogos sozinho e que, ao lado do Eric Gordon, dos nossos jovens atletas e das nossas futuras escolhas no draft, poderá nos levar ao tão sonhado título do campeonato. Eu fico pensando o seguinte: quem seria esse nome? Ele seria o ajuste ideal para o nosso time? Ele seria a peça que falta para transformarmos derrotas apertadas em vitórias? Quem seria esse sujeito? Vamos sonhar um pouco…

Abaixo, eu fiz uma relação com alguns dos maiores nomes da NBA, na atualidade. Os caras que mandam muito bem. Agora, a palavra está com os amigos. E aí? Quem você escolheria?

OBS: Se possível, expliquem o porquê da escolha lá embaixo, nos comentários. Assim, poderemos debater. A minha escolha, e o motivo, já estão explicados lá.

Para terminar, eu lembro que o nosso time voltará à quadra, dentro de algumas horas! O Hornets irá até Oklahoma City, onde enfrentará a forte equipe do Thunder, de um tal Kevin Durant. A bola vai subir, daqui a pouco, às 23h (de Brasília), no Chesapeake Energy Arena. O Brazilian Hornet deve acompanhar a partida e postar o andamento dela, via Twitter. Apareçam e sigam conosco!

* New Orleans Hornets Brasil: a prévia do jogo


 FERROADAS

* ERIC GORDON: Parece que a lesão no joelho direito do jogador não é tão grave. Então, o New Orleans Hornets resolveu arriscar e ofereceu uma extensão de contrato ao ala-armador. A NBA já liberou a negociação. Agora, só basta o Gordon dizer “sim”. O novo acordo é de 4 temporadas, e os valores ainda não foram divulgados. Ah, e o Gordon tem até a noite desta quarta-feira (hoje) para dar uma resposta. Se não aceitar (ou não responder), ele se tornará agente livre restrito, ao fim do campeonato. E eu errei o meu palpite…

* DUAS RENOVAÇÕES: O Hornets anunciou, na tarde de ontem (24/01), que exerceu as opções de renovar com o armador Greivis Vasquez e o ala-armador Xavier Henry, por mais uma temporada (algo já previsto em contrato). Dessa forma, os dois permanecerão garantidos no elenco dos zangões até o fim do campeonato de 2012-13 (a não ser que sejam trocados antes). Para mim, é uma ótima notícia. São jovens que tem talentos a serem desenvolvidos. Que cresçam conosco e nos ajudem ainda mais no futuro.

* CONTINUE VOTANDO…: A eleição dos quintetos do Oeste e do Leste para o All-Star Game 2012 vai chegando à sua reta final. Clique aqui e dê aquela força aos jogadores do Hornets!