UMA DUPLA AFINADA

* Por Lucas Ottoni

Olá, parceiros. O post de hoje é rápido, pois eu só quero mostrar o vídeo acima para o pessoal. Ele já rola no YouTube há um tempinho, mas eu o encontrei hoje e gostei do que vi. Não conheço o “pai da criança” (Simple OG), mas preciso parabenizá-lo. Muito legal! O que temos são imagens sensacionais dos calouros do Hornets – Anthony Davis e Austin Rivers – barbarizando na telinha do videogame. Trata-se do jogo NBA 2K12, uma verdadeira febre entre os fãs da pelota laranja. No vídeo, Davis e Rivers fazem de tudo: dribles, arremessos, pontes, enterradas… E quem sofre são os marcadores de Los Angeles Lakers, Miami Heat e Oklahoma City Thunder. Tudo é muito bem feito e parece quase real. Um grande show! Agora, só nos resta torcer para que essa dupla afinada faça estragos não apenas nos games, né?

OBS 1: A música do vídeo também é muito legal. Trata-se de “Touch the Sky“, do rapper americano Kanye West.

OBS 2: Eu não sei se vocês repararam, mas a bola manuseada por Rivers e Davis no vídeo não é a oficial da NBA. Me parece a bola utilizada em jogos da FIBA, a Federação Internacional de Basquetebol. Um deslize? Que nada. O que importa não é a bola, mas sim o que fazem com ela, concordam?

* HORNETS VS ROCKETS: Nesta quarta-feira (24/10), o Hornets voltará à quadra para a sua sétima partida na pré-temporada. Os zangões vão encarar o time de Houston, na New Orleans Arena, a partir das 22h (horário de verão – Brasília). GO HORNETS!!!

* Clique aqui e siga o Brazilian Hornet no Twitter!

* DERROTA: Falaremos sobre o jogo contra o Mavericks (que aconteceu na última segunda, 22/10, em Dallas) no próximo post. Na verdade, eu não tenho a menor vontade de comentar o que se passou lá no Texas, mas nós vamos postar uma análise dupla, das duas partidas (Mavs e Rockets). Aguardem!

UMA VITÓRIA NO DIA CERTO

Todos os parceiros estão convidados a repartir este fantástico bolo!

* Por Lucas Ottoni

Olá, amigos. Antes de qualquer coisa, eu gostaria de agradecer a todos vocês, visitantes ilustres do Brazilian Hornet, pelas lembranças destinadas ao aniversariante aqui. Muito obrigado mesmo, por cada palavra. Como vocês sabem, eu acabei de completar 31 anos (no último dia 11 de abril). Uma idade boa, em que você já não se sente mais tão garoto, mas também não se considera velho e acabado. Fica-se ali, perto do meio-termo, e isso está de bom tamanho para mim. Ok, chega de egocentrismo. Vamos “hablar” de Hornets? O nosso time abriu a semana na segunda-feira, 09/04, encarando o Los Angeles Lakers (37-22) e perdendo para os angelinos na New Orleans Arena: 93 a 91 (e lá se foi o meu presente de aniversário antecipado). Pelo placar, vocês puderam perceber que a partida foi duríssima. No entanto, falaremos dela mais abaixo. Eu quero começar este post com um resultado positivo no dia certo. Ontem, 11/04 (essa data não me é estranha), os zangões enfrentaram o Sacramento Kings (19-40) e me presentearam (só mais um pouco de egocentrismo, vai?) com um belo resultado na Colmeia: 105 a 96. Que me desculpem os outros fãs do Hornets, mas essa vitória foi para mim! Bem, agora que eu já estou começando a me sentir importante, vamos refletir um pouquinho no parágrafo abaixo…

Após os jogos contra Lakers e Kings, apenas 8 duelos separam o New Orleans Hornets (16-42) do fim da linha na temporada 2011-12 da NBA. A nossa equipe segue na lanterna da Conferência Oeste e já não possui qualquer chance de alcançar os playoffs. Portanto, essas partidas restantes não mudarão a situação dos zangões no campeonato, mas podem servir para que o técnico Monty Williams faça as últimas observações e conclua algumas ideias a respeito do atual elenco. Então, vale a pena conferir o comportamento dos nossos jogadores nessa reta final de temporada regular. Devemos encarar esses 8 jogos como uma espécie de início do processo de formação do time para 2012-13. E isso, acreditem, pode ser muito interessante daqui para frente. Vejam o que falta para nós (horários de Brasília):

Abril

Adversário Horário
 Sex 13  vs Utah    21:00
 Dom 15  vs Memphis    20:00
 Seg 16  @ Charlotte    20:00
 Qua 18  @ Memphis    21:00
 Qui 19  vs Houston    21:00
 Dom 22  @ LA Clippers    22:30
 Ter 24  @ Golden State    23:30
 Qui 26  @ Houston    21:00

Essas partidas poderão representar o começo de uma nova equipe para o basquete profissional de New Orleans, mais competitiva, forte e entrosada. Eu sugiro aos amigos que acompanhem os 8 jogos restantes. O calendário está aí em cima. Não tem erro. Agora, vamos entrar rapidamente na vitória em homenagem a mim (eu acredito!) e na derrota para o Lakers…

Marco Belinelli foi bem contra o Kings

Ontem à noite, quando eu soprei 31 velinhas, o Jason Smith e o Marco Belinelli resolveram comandar a festa, e quem acabou pagando a conta foi o Sacramento Kings (eles vêm de 6 derrotas seguidas!). Com 22 pontos e enterradas chocantes, o nosso ala-pivô branquelo mostrou que vive uma ótima fase e que merece fazer parte do futuro do nosso time. E vocês, o que acham? Já o ala-armador italiano anotou 21 pontos e também vem jogando muito bem (ele se apresenta muito melhor quando atua ao lado do armador Greivis Vasquez). É impressionante como o Belinelli parece mais confiante do que no início da temporada, e eu tenho a impressão de que ele conseguirá estender o seu contrato com os zangões. Se isso realmente acontecer, méritos para ele. Outro atleta que me causou boa impressão foi o jovem ala Al-Farouq Aminu. Ele vem mostrando uma capacidade defensiva muito boa e aproveitando os minutos a mais que vem recebendo, já que o técnico Monty Williams resolveu poupar o Trevor Ariza. Mais um jovem, o ala-armador Xavier Henry, também apareceu bem contra os Reis: ele anotou 14 pontos e mostrou intensidade. No lado adversário, o ala-armador Marcus Thornton – um velho conhecido – foi quem nos deu mais trabalho (só para variar): foram 25 pontos. Enfim, foi com boas atuações de jogadores menos cotados que o Hornets conseguiu me presentear com uma bela vitória. Após um primeiro quarto ruim, os zangões se acertaram e conseguiram bater a turma de Sacramento: 105 a 96.

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida (contra o Kings)

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida (contra o Lakers)

Greivis "Davi" Vasquez vs Pau "Golias"

Voltando lá para a segunda-feira (09/04), o Hornets também jogou na New Orleans Arena, mas acabou perdendo. O duelo com o tradicional Los Angeles Lakers foi equilibradíssimo e decidido nos segundos finais. Os angelinos estavam sem o astro Kobe Bryant (lesão na canela esquerda), e os zangões não contaram com o ótimo Eric Gordon (dores na parte inferior das costas). Dentro de quadra, as grandes atuações do trio Greivis Vasquez (18 pontos e 11 assistências), Carl Landry (20 pontos e 11 rebotes) e Marco Belinelli (20 pontos) não foram suficientes para conter a dupla de garrafão mais poderosa da NBA. O ala-pivô espanhol Pau Gasol saiu de quadra com 25 pontos e 9 rebotes, enquanto o pivô Andrew Bynum conseguiu 18 pontos e 11 rebotes. Nada mal, não é mesmo? Apesar disso, foram dois arremessos certeiros – um do ala Metta World Peace, e outro do armador Ramon Sessions – da linha dos três pontos que definiram o confronto a favor dos visitantes. Fim de jogo: 93 para o Lakers, 91 para o Hornets. Perder por míseros dois pontinhos de diferença é sempre ruim. E para o Lakers é ainda pior, concordam? Mas tudo bem, não tem problema. O meu presente de aniversário não foi antecipado (por muito pouco!), mas acabou chegando no dia exato: 11 de abril. Portanto, eu não tenho do que me queixar. Obrigado, Hornets!

No vídeo abaixo, os highlights de Hornets vs Lakers:

Para terminar, vocês viram no parágrafo acima que o Eric Gordon se lesionou novamente. Ele sentiu um problema nas costas na partida do último sábado (07/04), contra o Minnesota Timberwolves, e acabou desfalcando o Hornets contra Lakers e Kings. Não parece ser nada sério, mas é muito chato ver o cara que deveria ser o nosso principal jogador não conseguindo ter uma sequência na temporada. Por falar nisso, o resultado parcial da nossa última enquete indica que apenas 2 pessoas (6.9%) acham que o Hornets seria um dos líderes do Oeste, caso o Gordon estivesse sempre saudável. Já 7 participantes (24.14%) acreditam que o time chegaria aos playoffs com dificuldade. A maioria absoluta – 17 votos (58.62%) – colocou o Hornets fora dos playoffs, mas com uma campanha bem melhor que a atual. E 3 ilustres companheiros (10.34%) determinaram que nada mudaria, mesmo com o Gordon comandando a equipe. No total, 29 votos foram computados (será que alguém votou mais de uma vez?). Bem, quem ainda não votou, é só clicar aqui. A enquete não tem data de término. Votem à vontade!

* JARRETT JACK: O armador titular do Hornets está fora do restante da temporada 2011-12 da NBA. Ele se encontra com uma fratura no pé direito causada por stress (leia-se excesso de esforço). E é a palavra ESFORÇO que define bem o que foi o Jack para os zangões nesse campeonato. Quem torce pelo time de New Orleans deve aplaudir de pé o JJ. Acertando ou errando, ele jogou duro todas as noites em que esteve em quadra. O comprometimento com a equipe e o espírito de liderança foram as marcas registradas dele. Valeu, Jack!

* JEROME DYSON: Com o afastamento do JJ, o Hornets contratou o armador Jerome Dyson por dez dias. Ele havia participado dos treinamentos de pré-temporada com o time, mas acabou dispensado pouco antes de o campeonato começar. Dyson, de 24 anos, estreou (na NBA) ontem, contra o Kings, e saiu de quadra com 3 pontos, 5 assistências, 3 rebotes e 1 roubo, em 23 minutos. Nada mal para um marinheiro de primeira viagem, hein?

* PERGUNTAR NÃO OFENDE: Alguém aí sabe por que o Gustavo Ayon tem jogado tão pouquinho? A franquia da Louisiana pretende continuar com ele, mas o mexicano quase não tem aparecido nos jogos. Dá para entender?

DEZ JOGOS PARA O FIM

O "balé" da NBA: Al-Farouq Aminu e Michael Beasley, na vitória do Hornets

* Por Lucas Ottoni

A atual temporada não está sendo nada fácil para o New Orleans Hornets (15-41), vocês sabem. Após o fim da era Chris Paul/David West, a franquia entrou em um processo de reconstrução e passou por inúmeros problemas ao longo do campeonato de 2011-12, problemas esses que cansamos de expor aqui desde que o Brazilian Hornet entrou oficialmente no ar, em dezembro do ano passado: a ausência de um proprietário, as intervenções da NBA em qualquer movimento realizado pela franquia, a dificuldade em negociar com outras equipes, a inexperiência e falta de entrosamento do novo time, os vários desfalques e contusões, as deficiências técnicas (sobretudo ofensivas) do elenco, etc. Enfim, percalços de uma temporada que acabou sendo cruel conosco, mas que serviu também para que começássemos a arrumar a “casa”. Passados quase 4 meses, estamos a apenas 10 jogos do fim dessa caminhada. Afinal, das 66 partidas previstas no calendário, o Hornets cumpriu 56, e o técnico Monty Williams certamente já tirou algumas conclusões de tudo aquilo que foi vivido ao longo desse período. Isso é bom, pois passa a sensação de que não começaremos do zero. Algo positivo foi construído, avaliações foram feitas, e nós vamos seguir a partir daí. Que esses 10 jogos restantes sejam o princípio de um futuro promissor que está a caminho. É o que todos os fãs dos zangões esperam, estou correto? Vamos, então, falar sobre o nosso último back-to-back…

Eric Gordon encara Manu Ginobili

O New Orleans Hornets vem de duas partidas emblemáticas, tanto pelos rivais quanto pelos resultados em quadra. Ok, vamos por partes: na última sexta-feira (06/04), o nosso time foi até o Texas para enfrentar o poderoso San Antonio Spurs (40-14), novo líder da Conferência Oeste, que curte uma sequência de “apenas” 11 vitórias consecutivas! “Molezinha”, não é mesmo? Pois bem, aconteceu aquilo que a gente já esperava, mas não queria: uma derrota. E não foi qualquer derrota. Ao fim do primeiro tempo, o placar indicava 72 a 45 em favor dos texanos! É isso mesmo, nós sofremos 72 pontos na etapa inicial, certamente um recorde negativo na nossa temporada. Precisamos reconhecer que o time do Spurs é “cascudo” e vive um grande momento, o banco de reservas dos caras teve cinco jogadores com 10 pontos ou mais, o veterano Tim Duncan continua desfilando toda a sua categoria, e eles ainda têm o técnico Gregg Popovich, um dos melhores e mais experientes da NBA. Enfim, nós perdemos para uma equipe superior e muitíssimo mais rodada que a nossa. O placar de 128 a 103 não foi exagerado, principalmente pela surra que recebemos no primeiro tempo. Apesar disso, o cestinha desse duelo foi o nosso ala-armador Eric Gordon: 31 pontos para ele! Mas vamos esquecer o Spurs e partir para o dia (e o parágrafo) seguinte…

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida (contra o Spurs)

* Veja aqui o pós-jogo do site Spurs Brasil

No sábado (07/04), o Hornets voltou para casa e recebeu o Minnesota Timberwolves (25-32) – outro rival ilustre – na New Orleans Arena. O Wolves é, na verdade, um adversário muito especial. Não entendeu? Ok, então veja:

Como vocês sabem, o Hornets é detentor de duas escolhas de primeira rodada no próximo draft, que acontecerá no fim de junho. Uma delas, é a nossa escolha de direito (que deverá ser bem preciosa, tendo em vista a nossa campanha). E a outra, nós conseguimos na transação que enviou o Chris Paul para o Los Angeles Clippers. Acontece que essa escolha que o Clippers nos cedeu é originária do Minnesota Timberwolves. Portanto, o valor dessa escolha está intrinsecamente ligado ao desempenho do Wolves na atual temporada. Quanto mais derrotas os Lobos tiverem, maiores são as chances de essa escolha – que agora nos pertence – estar entre as primeiras na noite do draft. Então, com as duas escolhas, poderíamos selecionar dois dos jogadores mais promissores disponíveis no projeto, sacaram? O raciocínio é esse, e, por isso, os torcedores do Hornets estão bastante interessados na campanha (e no fracasso) do Wolves.

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida (contra o Wolves)

Jason Smith: uma atuação de gala

O trecho acima foi escrito em um post do BH no último dia 12/03 (clique aqui para ler) e mostra exatamente o porquê de estar aberta a temporada de caça aos lobos em New Orleans. Brincadeiras (sem graça) à parte, o Hornets encarou o Wolves – no último sábado – sabendo que uma vitória seria muitíssimo importante para as nossas pretensões no próximo draft. Como era de se esperar, o jogo foi duro. O ala-pivô Kevin Love é um monstro, e jogar contra ele nunca é tarefa das mais agradáveis. Entretanto, apesar dos 29 pontos e 12 rebotes do Mr. “Amor”, os bravos zangões não perderam a oportunidade de empurrar o Wolves cada vez mais para longe dos playoffs. Com três jogadores atingindo a marca de duplo-duplo (Jason Smith, Chris Kaman e Greivis Vasquez), o Hornets saiu de quadra com uma vitória de 99 a 90 e deixou o rival de Minneapolis praticamente sem chances de alcançar a pós-temporada. Devido a isso, aumenta demais a nossa possibilidade de conquistar duas escolhas Top 10 no draft de 2012, que deverá rolar lá no fim de junho. Então, eu só posso abrir aquele sorriso e dizer que foi um resultado fantástico, que une o útil ao agradável!

No vídeo abaixo, os highlights de Hornets vs Wolves:

OBS: Eu não poderia deixar de destacar o ala-pivô Jason Smith. Ele jogou demais contra o Wolves e foi indispensável para a nossa grande vitória. Smith anotou nada menos que 26 pontos (recorde como profissional!), apanhou 10 rebotes e ainda conseguiu 3 roubos, tudo isso em 36 minutos. Bravíssimo!

Para terminar este post, eu vou deixar um registro aqui para vocês: desde que o Eric Gordon retornou ao time, na quarta-feira passada, nós conseguimos duas vitórias em três jogos. Seria coincidência? Talvez. Mas, de qualquer forma, eu fiz uma enquete sobre esse assunto no post anterior e gostaria de convidar o pessoal (que ainda não votou) a participar. É só clicar aqui e mandar ver! Em breve, eu vou comentar as parciais, ok? Fui!

* HORNETS VS LAKERS: Nesta segunda-feira (09/04), os zangões voltarão à quadra. O adversário é o Los Angeles Lakers. O duelo acontecerá às 21h (de Brasília), na New Orleans Arena, e o Brazilian Hornet deve acompanhar, via Twitter. Siga o BH e fique por dentro de tudo o que rolará ao longo da partida. Ganhar dos amarelinhos seria muito bom!

* New Orleans Hornets Brasil: a prévia do jogo

* O FUTURO É LOGO ALI: A temporada (para o Hornets) está chegando ao fim, algumas mudanças deverão acontecer, gente nova chega, outros vão embora, etc. Olha, é só uma impressão minha, mas eu acho que Carl Landry e Trevor Ariza estão vivendo os seus últimos momentos com uniformes dos zangões. É apenas uma sensação, ok? O tempo vai dizer se eu estou certo…

UMA DÚVIDA PERTINENTE

Podem acreditar! É o Eric Gordon mesmo! Ele voltou e derrubou o Nuggets!

* Por Lucas Ottoni

Olá, amigos. Eu sei que o post está – há três jogos – atrasado, pois uma série de questões particulares me impediram de tocar o Brazilian Hornet nos últimos dias. Então, peço desculpas ao pessoal que aguardava o texto do nosso último back-to-back (Lakers e Suns), que eu havia prometido para a segunda-feira (02/04) e que acabou não aparecendo por aqui. Fiquem sossegados, que eu vou tentar recuperar o tempo perdido e falar (muito) rapidamente sobre essas duas partidas hoje. No entanto, o assunto principal deste post não pode ser outro que não o retorno do ala-armador Eric Gordon às quadras. Sim, ele voltou nesta última quarta-feira, contra o Denver Nuggets (29-25), na New Orleans Arena. E o que aconteceu? O Hornets fez 94 a 92 (ufa!) sobre a turma do Colorado e alcançou a sua 14ª vitória na temporada 2011-12 da NBA (14-40). Com o Gordon em ação, os zangões venceram dois dos três jogos em que ele atuou. E esse fato levanta uma dúvida para lá de pertinente na cabeça dos fãs da equipe da Louisiana: se o Eric Gordon estivesse saudável ao longo de todo o campeonato, a campanha do Hornets teria sido diferente? Bem, eu resolvi criar aí embaixo uma enquete sobre o assunto. Votem à vontade!


OBS:
 Se possível, expliquem o porquê da escolha lá embaixo, nos comentários. Assim, poderemos debater. A minha escolha, e o motivo, já estão explicados lá.

Todo mundo sabe que o Eric Gordon chegou ao Hornets como parte da negociação que levou o armador Chris Paul para o Los Angeles Clippers. E todo mundo sabe também que ele machucou o joelho direito na estreia dos zangões na atual temporada, diante do Phoenix Suns. De lá para cá, o Gordon jogou apenas mais uma partida (contra o Philadelphia 76ers), passou por uma cirurgia (no joelho) e ficou uns 3 meses afastado das quadras. O fato é que esse jogador tem um enorme potencial, é talentoso e poderia ter sido o grande nome do New Orleans Hornets no campeonato. Ele fez uma falta tremenda ao time nesse período em que esteve longe dos jogos, e é uma pena que tenha retornado apenas agora, restando menos de 15 compromissos para o fim da nossa campanha. Porém, antes tarde do que nunca. Como eu já havia escrito lá em cima, o Gordon voltou na quarta-feira (04/04), contra o Nuggets, na New Orleans Arena. Ele jogou por quase 34 minutos, marcou 15 pontos e – mais uma vez – foi decisivo para a vitória suada dos zangões. É só ver o vídeo:

É bom saber que nós temos novamente um jogador que não se furta de decidir os jogos e que sabe exatamente o que fazer para que o lance derradeiro seja concluído com sucesso, não é mesmo? Afinal, perdemos diversas partidas nessa temporada nos segundos finais, nos momentos de definição, e isso mostra a falta que o Mr. Gordon fez à equipe do Hornets. Tuitadas infelizes à parte, que ele seja muito bem-vindo de volta!

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida (contra o Nuggets)

O "chute" certeiro de Kobe Bryant

Para terminar o post (eu não esqueci), vamos falar rapidamente sobre o back-to-back do último final de semana, que encerrou uma excursão de cinco jogos do Hornets pela Costa Oeste. No sábado passado (31/03), os zangões foram ao Staples Center e fizeram um jogo duríssimo com o Los Angeles Lakers (35-20). Eu não assisti ao duelo, mas soube que o astro Kobe Bryant esteve em um dia para (quase) se esquecer. Ele errou uma penca de arremessos e apresentou um basquete até irreconhecível. No entanto, o Kobe é o Kobe. Ele acabou fazendo isso aqui no momento decisivo, e os angelinos acabaram saindo com uma vitória sofrida: 88 a 85. Um dia depois, no último domingo, a nossa equipe parecia bastante desgastada pelo duelo em LA e acabou sendo presa tranquila para o Phoenix Suns (28-26), lá no Arizona. Steve Nash e cia. fizeram 92 a 75 e encerraram o nosso back-to-back com duas derrotas. De repente, com o Eric Gordon em quadra, as coisas poderiam ter sido bem diferentes… Alguém aí duvida?

* BACK-TO-BACK: Hoje à noite (21h30m de Brasília), o New Orleans Hornets estará em San Antonio, para o duelo contra o Spurs do bom e velho Tim Duncan. Um dia depois, neste sábado (07/04), os zangões terão pela frente o Timberwolves, na Louisiana. A bola subirá às 21h (de Brasília). O Brazilian Hornet deve passar informações, via Twitter. Siga o BH e fique por dentro de tudo o que acontecerá em quadra.

* Spurs Brasil: a prévia do jogo contra o San Antonio Spurs

GAROTADA BOA: Na última segunda-feira (02/04), a Universidade de Kentucky derrotou Kansas e conquistou o título nacional universitário lá nos EUA. Porém, isso é o que menos importa para nós. O que interessa, na verdade, são os jovens talentos que pudemos observar: Anthony Davis, Michael Kidd-Gilchrist, Thomas Robinson, Doron Lamb, Terrence Jones… Dois deles poderão estar vestindo uniformes do Hornets muito em breve. O draft vem aí!

Um ótimo feriado de Páscoa a todos!

UMA SINA NADA AGRADÁVEL

Tome muito cuidado, Jason Smith! A maré está para contusões!

* Por Lucas Ottoni

Em seu passeio pelo Oeste, o New Orleans Hornets (13-38) encarou mais um back-to-back nos últimos dias e saiu dos jogos com uma vitória e uma derrota. Na quarta-feira (28/03), os zangões não tomaram conhecimento do Golden State Warriors (20-29) e conseguiram um placar de 102 a 87, lá em Oakland. Um dia depois (ontem), o time foi até o Oregon e fez uma partida bastante equilibrada com o Portland Trail Blazers (24-27), mas não resistiu às inúmeras cestas de três pontos anotadas pelos donos da casa e acabou sofrendo um revés de 99 a 93. Tendo em vista que a nossa campanha é muito ruim e que nós não temos possibilidade alguma de sonhar com os playoffs, o que mais chama a atenção nesse momento é a sina que vem acompanhando o Hornets desde que a temporada 2011-12 da NBA se iniciou: as lesões e os desfalques. Eu comentava com alguns parceiros que isso parece epidemia! É impressionante como a equipe de New Orleans sofreu com essas situações ao longo de todo o campeonato! Que o calendário da liga é sacrificante, todo mundo já sabe. Ainda mais quando temos 66 jogos em um espaço curtíssimo de tempo (por causa do locaute). O organismo – mesmo sendo o de um atleta profissional – não aguenta. É muitíssimo extenuante mesmo. Vamos, então, observar a atual condição do nosso prezado elenco:

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida (contra o Warriors) 

Falar em contusões no Hornets sem começar pelo ala-armador Eric Gordon seria uma tremenda leviandade da minha parte. O cara que chegou na Louisiana para ser o principal jogador do time acabou machucando o joelho direito logo na primeira partida do campeonato e participou de apenas mais um jogo, antes de ser afastado para passar por uma intervenção cirúrgica no local. Aliás, surgiu a notícia de que ele está muito próximo de retornar às quadras. Pena que agora seja tarde demais, né? Outro que está há bastante tempo parado é o pivô Emeka Okafor. Ele sofreu uma lesão no joelho esquerdo na semana anterior ao All-Star Weekend 2012 – isto é, lá em meados de fevereiro – e segue sem previsão para retornar. O ala Trevor Ariza também tem problemas físicos. Ele sente dores no tornozelo direito e não vem participando dos últimos jogos da equipe. E já não é a primeira vez na temporada que Ariza desfalca o time por causa de lesão. Só nesse parágrafo já observamos três jogadores fundamentais para os zangões. E você acha que é tudo? Nada disso. Desgraça pouca é bobagem…

Carl Landry: ileso contra o Warriors

Vamos aos grandalhões agora? Ok. O pivô germânico Chris Kaman perdeu alguns jogos por ter sido afastado do elenco, em uma tentativa frustrada da franquia de negociá-lo. Depois voltou e passou a jogar muito bem, mas agora está sofrendo com uma forte gripe que o impossibilitou de participar dos últimos duelos dos zangões. Já o ala-pivô Jason Smith ficou mais de 1 mês parado por causa de uma concussão e só retornou no último dia 17. Outro ala-pivô nosso, o Carl Landry, que lesionou o joelho esquerdo no dia 04 de fevereiro, voltou à equipe apenas no último sábado. Querem outro ala-pivô? Pois não. O mexicano Gustavo Ayon está desfalcando os zangões nesse momento, embora seja por um bom motivo. O primeiro filho dele está para nascer. Que venha com muita saúde! Mas eu lembro que o Ayon também chegou a perder uns joguinhos por conta de lesão. Pensa que acabou? Então, olha só o parágrafo aí embaixo…

No jogo de ontem, contra o Portland Trail Blazers, o nosso técnico Monty Williams teve apenas 8 jogadores à disposição! O desfalque da vez foi o armador Jarrett Jack, que torceu o tornozelo direito na noite anterior, diante do Warriors. Que sina! E também não é a primeira ocasião em que o Jack se ausenta da equipe por conta de lesões.  É difícil resistir a tantas situações adversas. E olha que eu nem falei sobre as suspensões sofridas pelo mesmo JJ e pelo Jason Smith (não me recordo de outras). Eu tenho certeza que o Monty Williams ainda não conseguiu escalar o seu quinteto ideal em jogo nenhum dessa temporada. Pois não há treinador (e torcedor!) que resista a tantas intempéries. Essa “epidemia”, é claro, também explica muito bem a nossa campanha ruim.

* Confira aqui o Box Score (com vídeos) da partida (contra o Blazers)

Para terminar este post, eu tenho que parabenizar os senhores Greivis Vasquez, Marco Belinelli e Al-Farouq Aminu. Os três foram participantes assíduos dos nossos jogos. Tiveram uma frequência excelente ao longo do campeonato e não deixaram o tio Monty na mão – bom, pelo menos até agora. Eu, honestamente, não me lembro de alguma partida em que um dos três estivesse ausente. Quem se lembrar, favor escrever lá embaixo, nos comentários. Sobre os jogos contra Warriors e Blazers, não há muito o que falar. Nós tivemos boas atuações, sobretudo em Oakland, onde conseguimos uma grande vitória (102 a 87). E a derrota em Portland (99 a 93) aconteceu apenas no fim, como de praxe. O duelo foi equilibradíssimo, mesmo com os nossos inúmeros desfalques. Ah, e que fase a do Belinelli, hein! O italiano vem jogando o fino! Ele anotou 22 pontos contra o Warriors, e 27 diante do Blazers! Até que enfim!

OBS: Eu quase ia me esquecendo do ala-armador Xavier Henry, que chegou ao Hornets já lesionado e perdeu vários jogos antes de estar totalmente à disposição do técnico Monty Williams. É ou não é “epidemia”?

No vídeo abaixo, os highlights de Hornets @ Warriors:


* MAIS UM BACK-TO-BACK: Amanhã à tarde (16h30m de Brasília), o New Orleans Hornets estará no Staples Center, para o duelo contra o Los Angeles Lakers. Um dia depois, no domingo, os zangões terão pela frente o Suns, lá em Phoenix, encerrando a excursão pelo Oeste. A bola subirá às 22h (de Brasília). O Brazilian Hornet não deve acompanhar os jogos pelo Twitter. Fim de semana é complicado, vocês entendem, né?

* FIQUE DE OLHO: Neste fim de semana, vai rolar o NCAA Final Four, lá em New Orleans. É uma bela oportunidade para acompanharmos futuros talentos que poderão estar vestindo a camiseta do Hornets na próxima temporada. Amanhã, a partir das 19h (de Brasília), irão acontecer as duas semifinais (Kentucky vs Louisville e Ohio State vs Kansas). Os vencedores decidirão o título universitário na próxima segunda-feira (02/04). No Brasil, os canais ESPN e BandSports devem transmitir os duelos.

* O FIM DOS ZANGÕES?: Um texto do jornalista Ian Thomsen, do site Sports Illustrated, aponta para a possibilidade de a franquia de New Orleans trocar o nome “HORNETS” por um outro que tenha mais relação com a cidade. Principalmente após a chegada de um novo proprietário, o que estaria em vias de acontecer. Caso isso realmente se concretize, a equipe de Charlotte – o Bobcats – teria o caminho aberto para se transformar novamente no Charlotte Hornets, nome original da franquia da Carolina do Norte. Querem saber o que eu acho? Prefiro não comentar, a não ser que isso se torne realidade. Eu só sei de uma coisa: eu sou torcedor do HORNETS. Esteja o time onde estiver.