RETROSPECTIVA 2011-12 # 5

Chris Kaman e Emeka Okafor não jogarão pelo Hornets em 2012-13

* Por Lucas Ottoni

Hoje é o dia de encerrarmos as avaliações do elenco do New Orleans Hornets na última temporada. A posição restante é a de pivô, e é até estranho fazer uma análise dos grandalhões do Hornets, pois eles já estão assinados com outras equipes e não fazem mais parte do novo plantel dos zangões. Mas, enfim, se defenderam as nossas belas cores em 2011-12, merecem entrar na retrospectiva. Só que antes de falarmos sobre eles, eu vou listar abaixo as posições que já foram avaliadas aqui no Brazilian Hornet:

ARMADORES (Jarrett Jack / Greivis Vasquez)

ALAS-ARMADORES (Eric Gordon / Marco Belinelli / Xavier Henry)

ALAS (Trevor Ariza / Al-Farouq Aminu)

ALAS-PIVÔS (Carl Landry / Jason Smith / Gustavo Ayon / Lance Thomas)

Agora sim, podemos falar sobre os pivôs do nosso querido Hornets na última temporada:

* CHRIS KAMAN #35

Médias: 29.2 mpg / 13.1 ppg / 2.1 apg / 7.7 rpg / 0.5 spg / 1.6 bpg

Número de jogos: 47 (33 como titular)

Reza a lenda que o pivô germânico teria ficado bastante chateado quando soube que iria para New Orleans, após ter sido trocado para o Hornets (no negócio que enviou o armador Chris Paul para o Los Angeles Clippers, em dezembro de 2011). Assim que desembarcou na Louisiana, Kaman teria pedido uma transferência para algum outro time imediatamente, mas não foi atendido. Contrariado, o pivozão teve que cumprir o contrato (aliás, um belo contrato!), mas a sua atitude inicial não passou despercebida e acabou desagradando alguns executivos da franquia. Mesmo atuando normalmente no início da temporada 2011-12, o alemão (nascido nos EUA) parecia sem clima na terra do jazz, tanto que acabou afastado da equipe no fim de janeiro para ser negociado no mês seguinte. Como as propostas pelo ótimo pivô não foram satisfatórias, o Hornets resolveu reintegrá-lo ao elenco e contar com os seus serviços até o fim do campeonato. De volta à quadra, o Kaman foi nada menos que profissional. Jogou, deu o seu máximo, fez algumas excelentes partidas e mostrou a sua qualidade aos fãs dos zangões. Após o término da competição, ele viu que jogar em New Orleans não foi tão ruim e deixou no ar até a possibilidade de renovar o seu contrato com a equipe e permanecer na cidade, mas a franquia não teria mostrado interesse em um novo acordo. Aos 30 anos de idade, Kaman não se encaixa dentro do atual projeto do Hornets e do técnico Monty Williams: desenvolver jogadores jovens e com energia defensiva. Aliados ao desgaste ocorrido no início da temporada passada, esses fatores acabaram afastando o habilidoso pivô da Louisiana.

PONTO POSITIVO: Ex-All-Star (2010), o Kaman é um pivô muito técnico e com inúmeros recursos ofensivos, além de ser bom apanhando rebotes. Sabe jogar embaixo da cesta, tem um ótimo jogo de pernas e também é eficiente nos arremessos de média distância (veja o vídeo). No Hornets, ele mostrou algumas dessas qualidades e obteve 15 duplos-duplos.

PONTO NEGATIVO: Os seus primeiros meses em New Orleans não foram dos mais agradáveis, já que ele parecia contrariado com a troca que o enviou para o Hornets (o que culminou no seu afastamento do elenco). Além disso, não é um defensor dos mais aplicados, e isso o teria feito cair em desgraça com o técnico Monty Williams.

O FUTURO: Não será em New Orleans. O contrato do Kaman se encerrou no fim do último campeonato, e o Hornets não se interessou em um novo acordo com o jogador. Diante disso, o alemão acabou acertando a sua ida para o Dallas Mavericks, no mês passado. No Texas, ele formará dupla com o seu compatriota Dirk Nowitzki e receberá U$ 8 milhões por 1 temporada.

* EMEKA OKAFOR #50

Médias: 28.9 mpg / 9.9 ppg / 0.9 apg / 7.9 rpg / 0.6 spg / 1.0 bpg

Número de jogos: 27 (todos como titular)

Você pagaria mais de U$ 1 milhão por mês pelos serviços do Emeka Okafor? Pois é, era exatamente isso o que o Hornets estava fazendo há pouco tempo atrás. Um enorme desperdício de “verdinhas”, concordam? E o Okafor na Louisiana foi isso aí: produziu pouco para a fortuna que recebia e nunca se tornou aquele grande pivô que os torcedores esperavam. Em três temporadas atuando com o uniforme dos zangões, o Mek não conseguiu repetir o sucesso do Tyson Chandler e acabou não tendo uma passagem das mais marcantes – mesmo com médias próximas às de um duplo-duplo. Só para resumir: boa postura defensiva, alguns rebotes, um toco aqui e ali, e só. No ataque? Quase nada. Falando mais especificamente da temporada 2011-12, aí é que a coisa foi ainda pior. Por causa de uma misteriosa lesão no joelho esquerdo, o pivô de 29 anos ficou fora de mais da metade da competição e perdeu os últimos meses de disputa. Todos no Hornets sabiam que era preciso dar um jeito de se livrar do Emeka e de seu oneroso contrato, e parece que a franquia já havia tentado negociar o atleta ao longo da última temporada, mas sem sucesso. Então, no dia 20 de junho, o Washington Wizards apareceu e levou o Okafor e o Trevor Ariza para a capital americana, em troca da escolha de draft que nos rendeu o jovem ala Darius Miller. E, honestamente, eu nem me lembro do jogo derradeiro do nosso ex-pivô com o uniforme do Hornets. Como eu havia dito antes, o Emeka teve uma passagem que – definitivamente – não foi das mais marcantes.

PONTO POSITIVO: É a defesa. O Emeka Okafor é um cara atlético e com uma disposição defensiva enorme. É bom para distribuir bloqueios (confira o vídeo) e apanhar rebotes. No entanto, essas qualidades não supriram a sua falta de talento ofensivo nesses três anos de Hornets. Quando o time mais precisou de poder de fogo lá embaixo da cesta, ele pouco apareceu. Contudo, a sua participação na defesa foi positiva.

PONTO NEGATIVO: Um pivô titular que pontua de forma tão modesta não pode resolver os problemas do Hornets. E o Okafor é esse tipo de jogador. Além de não possuir um bom arsenal ofensivo, é fraco na linha de lances livres e ineficiente longe da cesta. Também costuma cometer aquelas infrações de 3 segundos plantado no garrafão, seja na defesa ou no ataque – e isso irrita muito. Em 2011-12, mais uma vez acabou não se destacando.

O FUTURO: Será em Washington, DC. O Hornets precisava se livrar do contrato ruim do Okafor, e acabou conseguindo isso ao enviá-lo para o Wizards. O casamento entre o Emeka e os zangões definitivamente não deu certo, e já era hora de se colocar um ponto final nessa relação. Eu acho que foi bom para ambas as partes.

– Outros pivôs que passaram pelo Hornets (sem grande repercussão) na temporada 2011-12: Jeff Foote, Chris Johnson, Solomon Jones e Darryl Watkins.

* BAIXA NO BANCO: O assistente James Borrego (o do sobrenome esquisito, lembram?), um dos homens de confiança do treinador Monty Williams, aceitou um convite do Orlando Magic e não deverá fazer parte da equipe técnica do Hornets para a temporada 2011-12. Vale lembrar que Borrego foi o comandante dos zangões (1-4) na Summer League de Las Vegas 2012.

* OTIMISMO: O recém-contratado Robin Lopez mal chegou em New Orleans e já mostrou uma enorme animação com o fato de poder formar uma dupla de garrafão com o jovem Anthony Davis. O pivô, ex-Phoenix Suns, elogiou o time do Hornets e garantiu que está saudável e pronto para ajudar os zangões em 2012-13. Só que para nos ajudar, ele precisará fazer melhor do que fez no Arizona. Aliás, muito melhor.

* GAROTO AMBICIOSO: Vejam aqui o que o Anthony Davis andou dizendo nos últimos dias. É disso que eu gosto! Uma ambição que há tempos eu não via lá pelos lados de New Orleans. Pensando desse jeito, parece que o céu é o limite para esse rapaz!

Anúncios

OS ZANGÕES E A SUMMER LEAGUE

Jovens do Hornets procuram mostrar serviço em Las Vegas

* Por Lucas Ottoni

Olá, amigos. Hojé é dia de falarmos rapidamente sobre a garotada do New Orleans Hornets na Sumer League de Las Vegas 2012. Para quem não sabe, a Summer League (como o próprio nome indica) é uma espécie de liga de verão (nos EUA) que a NBA promove a cada ano – geralmente, no mês de julho. E qual o objetivo desse torneio? Melhor definição que a do excelente blog Bola Presa, impossível…

As famosas Summer Leagues são campeonatos organizados durantes as férias da NBA, a offseason, e servem para dar ritmo de jogo aos recém-draftados, colocar para jogar atletas jovens que tiveram pouco tempo de quadra na temporada anterior e também para dar chance a jovens que sonham em jogar na NBA.

Sim, é basicamente isso. O legal das Summer Leagues é ver em ação os jovens que acabaram de ser escolhidos no draft. Mas não é só isso… De vez em quando, algum jogador que não foi selecionado e que ninguém conhece acaba roubando a cena, impressionando olheiros e treinadores e ganhando um contrato na NBA. O exemplo mais famoso é o do armador Jeremy Lin, hoje no Houston Rockets. Pode-se dizer que o Lin foi “revelado” pela Summer League. As boas atuações que ele teve na liga de verão (em 2010) lhe abriram portas, e agora o garoto de origem asiática acaba de se tornar um milionário do basquete. Portanto, a Summer League é importante e pode ser o primeiro passo de muitos atletas rumo à fama e ao estrelato.

Austin Rivers é uma atração do Hornets

Atualmente, existem duas Summer Leagues: a de Orlando e a de Las Vegas. Como o New Orleans Hornets está disputando a de Las Vegas, é nela que nós iremos nos concentrar (mas se você quiser saber sobre a Summer League de Orlando, é só clicar aqui). Então, a liga de verão de Las Vegas começou há uma semana (13/07) e irá terminar neste domingo (22/07). Ela está sendo disputada por 24 times da NBA atuando com os seus uniformes de treinamento (afinal, são jovens e aprendizes em quadra), e os duelos acontecem em dois ginásios: o COX Pavilion e o Thomas & Mack Center. É importante destacar que o que se olha mesmo nessas partidas são as atuações individuais dos jogadores, e não o time que foi melhor. Claro, todo mundo quer vencer, mas os resultados desses jogos são o que menos importa. As franquias estão de olho é no rendimento de seus jovens e na possibilidade (mesmo que pequena) de encontrarem um “novo Jeremy Lin”.  Bem, feita essa rápida explicação sobre o torneio, vamos agora falar sobre os zangões…

* Clique aqui e siga o Austin Rivers no Twitter!

A garotada do New Orleans Hornets já disputou 3 partidas nessa Summer League de Las Vegas, com 1 vitória (sobre o Phoenix Suns) e 2 derrotas (para Portland Trail Blazers e Milwaukee Bucks). Como os resultados não são o mais importante aqui, nós vamos direcionar a atenção aos nossos principais jogadores que estão participando do torneio. São eles: Austin Rivers e Darius Miller, recém-escolhidos pela franquia da Louisiana no último draft, e Jerome Dyson, Xavier Henry e Lance Thomas, que fizeram parte do elenco dos zangões na última temporada. Na imagem abaixo, observamos a lista dos atletas inscritos pelo Hornets:

Como vocês puderam reparar, o nome do ala-pivô Anthony Davis consta na lista para a Summer League, mas ele está com a seleção dos EUA e, por isso, desfalca o jovem elenco dos zangões. Outro nome mais conhecido que está na relação e não participa da liga de verão é o do pivô Darryl Watkins, que acabou transferido para o Philadelphia 76ers – e já foi dispensado. Então, as principais atrações do Hornets no torneio são mesmo os novatos (Rivers e Miller), além de Dyson, Henry e Thomas. E o cara que está no banco de reservas comandando essa pirralhada é o James Borrego (eita, sobrenome esquisito!), um dos auxiliares do técnico Monty Williams. Assim que a competição acabar (neste domingo, 22/07), nós iremos publicar um post comentando os destaques (positivos e negativos) da equipe e as atuações dos principais atletas desse grupo. Confiram agora o calendário do Hornets na Summer League de Las Vegas (com as três partidas já cumpridas – todas no Thomas & Mack Center):

Dia e hora (de Brasília)

Jogo

Resultado

15 de julho, às 23h30m

vs Portland Trail Blazers

82 – 85 (derrota)

16 de julho, às 23h30m

vs Milwaukee Bucks

68 – 76 (derrota)

18 de julho, às 21h30m

vs Phoenix Suns

78 – 61 (vitória)

20 de julho, às 23h30m

vs Dallas Mavericks

21 de julho, às 19h30m

vs Golden State Warriors

Deu para perceber que hoje tem jogo, não é mesmo? Pois é, a partir das 23h30m (horário de Brasília), os zangões entram em quadra e enfrentam o Dallas Mavericks, no nosso quarto duelo nessa liga de verão. Vale a pena ficar de olho na garotada e torcer para que eles nos brindem com um futuro promissor. GO HORNETS!!!

* ANTHONY DAVIS: E não é que o jovem ala-pivô do Hornets andou aprontando novamente das suas? No amistoso de ontem, entre EUA e Grã-Bretanha, lá em Manchester (ING), ele anotou 11 pontos, apanhou 3 rebotes e distribuiu nada menos que 4 bloqueios, em 13 minutos! Além disso, deu um show de enterradas (veja aqui)! É simplesmente impossível não se empolgar com o rapaz. E como é bom saber que ele é um zangão!

* ARRIBA, HORNETS!: A NBA confirmou que os zangões farão um jogo de pré-temporada na Cidade do México. O adversário será o Orlando Magic (nova equipe do nosso ex-ala-pivô mexicano Gustavo Ayon), e a partida está marcada para o próximo dia 07 de outubro. Quer mais informações (em português) a respeito do assunto? É só ler aqui.

* CARL LANDRY: Sem espaço para permanecer no Hornets, o ala-pivô – que é um agente livre irrestrito – estaria negociando com o Golden State Warriors e o Charlotte Bobcats. A definição quanto ao futuro do atleta deverá sair nas próximas horas. É mais um que vai se despedindo de New Orleans.

O QUE TEM ROLADO POR AÍ…

Não gostou da logo? Calma, espere até ver o que há aí embaixo...

* Por Lucas Ottoni

Como vocês já sabem, o novo dono do New Orleans Hornets, Tom Benson, anunciou planos ambiciosos para a franquia e demonstrou o desejo de mudar o nome da equipe, fato que gerou uma enorme repercussão e um grande rebuliço entre os fãs dos zangões no mundo inteiro. Eu ainda falarei melhor sobre esse possível “assassinato” do Hornets em um post futuro, mas não dá para ignorar algumas imagens – a respeito do assunto – que eu tenho visto rolando por aí na internet. Nomes, camisetas, uniformes, logotipos… Enfim, sugestões das mais variadas para a substituição do “HORNETS“. Deem uma olhadinha e depois me digam: honestamente, vocês torceriam para isso?

Ok, eu vou repetir a pergunta: honestamente, vocês torceriam para isso?

* HORNETS @ GRIZZLIES: Nesta quarta-feira (18/04), os zangões voltarão à quadra. O adversário é o time de Memphis, e o duelo acontecerá às 21h (de Brasília), no FedExForum (Tennessee). O Brazilian Hornet deve acompanhar, via Twitter. Será que conseguiremos a nossa quinta vitória consecutiva na reta final da temporada 2011-12? A conferir…

*** BOBEADA!: Esqueci de citar que o Hornets terá, na verdade, um back-to-back! O time joga também nesta quinta-feira(19/04), contra o Houston Rockets, na New Orleans Arena. A bola subirá às 21h (de Brasília).

* New Orleans Hornets Brasil: a prévia do jogo

* DARRYL WATKINS: O Hornets acaba de contratá-lo – por 10 dias – para atuar nos cinco jogos restantes do campeonato. Watkins, 27 anos, é pivô e já atuou na NBA com as cores do Sacramento Kings, na temporada 2007-08. Em 2010-11, ele esteve com os zangões na pré-temporada, mas acabou dispensado. E por falar em dispensa, o pivô Chris Johnson não faz mais parte do nosso elenco (e também não deixa saudades).

* PERGUNTAR NÃO OFENDE: Será que está chegando a hora de eu tirar a minha antiga camiseta do Larry Johnson do armário? O que vocês acham?