O QUE TEM ROLADO POR AÍ…

Não gostou da logo? Calma, espere até ver o que há aí embaixo...

* Por Lucas Ottoni

Como vocês já sabem, o novo dono do New Orleans Hornets, Tom Benson, anunciou planos ambiciosos para a franquia e demonstrou o desejo de mudar o nome da equipe, fato que gerou uma enorme repercussão e um grande rebuliço entre os fãs dos zangões no mundo inteiro. Eu ainda falarei melhor sobre esse possível “assassinato” do Hornets em um post futuro, mas não dá para ignorar algumas imagens – a respeito do assunto – que eu tenho visto rolando por aí na internet. Nomes, camisetas, uniformes, logotipos… Enfim, sugestões das mais variadas para a substituição do “HORNETS“. Deem uma olhadinha e depois me digam: honestamente, vocês torceriam para isso?

Ok, eu vou repetir a pergunta: honestamente, vocês torceriam para isso?

* HORNETS @ GRIZZLIES: Nesta quarta-feira (18/04), os zangões voltarão à quadra. O adversário é o time de Memphis, e o duelo acontecerá às 21h (de Brasília), no FedExForum (Tennessee). O Brazilian Hornet deve acompanhar, via Twitter. Será que conseguiremos a nossa quinta vitória consecutiva na reta final da temporada 2011-12? A conferir…

*** BOBEADA!: Esqueci de citar que o Hornets terá, na verdade, um back-to-back! O time joga também nesta quinta-feira(19/04), contra o Houston Rockets, na New Orleans Arena. A bola subirá às 21h (de Brasília).

* New Orleans Hornets Brasil: a prévia do jogo

* DARRYL WATKINS: O Hornets acaba de contratá-lo – por 10 dias – para atuar nos cinco jogos restantes do campeonato. Watkins, 27 anos, é pivô e já atuou na NBA com as cores do Sacramento Kings, na temporada 2007-08. Em 2010-11, ele esteve com os zangões na pré-temporada, mas acabou dispensado. E por falar em dispensa, o pivô Chris Johnson não faz mais parte do nosso elenco (e também não deixa saudades).

* PERGUNTAR NÃO OFENDE: Será que está chegando a hora de eu tirar a minha antiga camiseta do Larry Johnson do armário? O que vocês acham?

COLEÇÃO: CAMISETA #21 VASQUEZ

A caçulinha do nosso acervo: camiseta réplica (Home), # 21, Greivis Vasquez

* Por Lucas Ottoni

Hoje é noite de “Linsanity”? Não, se depender do New Orleans Hornets (6-23). Logo mais, os zangões vão encarar Jeremy Lin e o New York Knicks (15-15), em um Madison Square Garden entupido de gente. A bola irá subir às 23h (de Brasília), e o Brazilian Hornet acompanhará o jogão, via Twitter. Se o Jarrett Jack – que se recupera de contusão – não retornar ao time, caberá ao armador venezuelano Greivis Vasquez o papel de duelar contra a principal sensação da NBA. Greivis, meu amigo, eu confio tanto em você, que o quinto item da nossa coleção postado aqui no BH será em sua homenagem. Eu não preciso explicar muita coisa (pelo menos, não neste parágrafo), é só conferir os slides:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bem, todo mundo que conversa comigo sobre o Hornets sabe o quanto eu curto o jogo do Greivis Vasquez. O jeito como ele conduz a bola, a forma com que ele acha os companheiros em posição de “chute”, a boa visão de jogo e a vibração, que é a marca registrada desse armador venezuelano. Ele tem um passe muito bom e não é o tipo de jogador que ataca a cesta feito um louco. É um cara que joga para o time, para fazer o time render. Além disso, o Vasquez é o representante sul-americano do elenco dos zangões, o que torna esse atleta ainda mais valioso para nós. É verdade que ele possui aspectos a serem melhorados (como a defesa) e ainda tem um longo caminho a percorrer na NBA, mas o seu talento a ser desenvolvido é algo indiscutível. Merece essa homenagem do BH. Agora, vamos falar um pouco sobre a nossa camiseta…

Vasquez é um jogador vibrante

Ela chegou hoje e é customizada (você escolhe o nome e o número do jogador). É um modelo réplica da nossa camiseta branca (Home), sem furinhos, tamanho L (large). Eu só espero que essa camiseta número 21, com a inscrição “VASQUEZ” atrás, seja parte de um futuro vitorioso para a equipe dos zangões. O Greivis Vasquez está com 25 anos de idade e teve o seu contrato estendido com a franquia da Louisiana até o fim da temporada 2012-13. Desejo muita sorte e belos jogos a ele, nessa caminhada conosco.

Então, essa bela camiseta ilustrou o nosso quinto post sobre o acervo do BH. Veja também o primeiro, o segundoterceiro e o quarto itens da nossa coleção. Em breve, eu seguirei postando outros objetos.

OBS: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.

Hoje nós não teremos a sessão Ferroadas, pois não há nada muito importante a se destacar. Sim, o Hornets renovou com o ala-pivô Lance Thomas por mais 10 dias. Nada mais “relevante”, não é mesmo? Para terminar, eu quero que vocês tenham noção do que o Jeremy Lin representa para o nosso rival de hoje à noite e para toda a NBA:


Observando isso, uma vitória logo mais terá ainda mais sabor para os zangões. E se for com uma bela atuação do Greivis Vasquez, melhor ainda…

COLEÇÃO: CAMISETA MARDI GRAS

Camiseta swingman do New Orleans Hornets, modelo Mardi Gras

* Por Lucas Ottoni

O quinto back-to-back do New Orleans Hornets na temporada 2011-12 da NBA foi um desastre, com duas derrotas acachapantes. Mas disso, falaremos mais abaixo. Agora, eu vou seguir com a apresentação de mais um item do acervo do Brazilian Hornet. Pela fotografia aí em cima, vocês já perceberam que se trata de uma camiseta diferente, eu diria. E, na verdade, é. Essa armadura aí faz parte da linha Mardi Gras, que o Hornets lançou em homenagem ao famoso carnaval da cidade de New Orleans. A apresentação desses uniformes aconteceu no fim do ano de 2009, e eles foram utilizados pelo time dos zangões em alguns jogos nas duas últimas temporadas. A nossa camiseta traz o número 41, do James Posey. Alguém aí lembra dele? Abaixo, eu falarei rapidamente sobre esse jogador. Confiram os slides, amigos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Eu adquiri essa peça na loja oficial do Hornets, na New Orleans Arena, em março de 2010. Aí vocês me perguntam: “Mas por que logo a do James Posey, Lucas? Por que você não pegou uma do Chris Paul ou do David West?”. Simples, meus caros. As do Chris Paul, nesse modelo Mardi Gras, eram todas do tamanho pequeno (e eu meço quase 1,90 m de altura). E as do David West estavam em falta. Aí eu resolvi ficar com essa do Posey, que também jogava pelo Hornets na época. Afinal, o cara tem moral, né? Bicampeão da NBA. Então, foi assim que eu me apoderei dessa camiseta no modelo Mardi Gras, a única que tenho no acervo do BH (por enquanto).

James Posey: ex-Hornets

Bom, vou falar um pouquinho sobre o James Posey. Bicampeão da NBA (em 2006, pelo Miami Heat, e em 2008, pelo Boston Celtics), esse ala jogou pelo New Orleans Hornets entre 2008 e 2010, e depois foi trocado (junto com o armador Darren Collison) para o Indiana Pacers. Nesse movimento, o Hornets recebeu o ala Trevor Ariza, que segue com a equipe da Louisiana. Ah, o Posey não deixa saudades na torcida dos zangões. Jogador relativamente caro e que não produziu metade do que se esperava dele. Atualmente, possui 35 anos de idade e está sem clube.

Então, essa bela camiseta ilustrou o nosso quarto post sobre o acervo do BH. Veja também o primeiro, o segundo e o terceiro itens da nossa coleção. Em breve, eu seguirei postando outros objetos.

OBS: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.

Para fechar este post, vamos falar rapidamente sobre o nosso quinto (e desastroso) back-to-back. Na verdade, não há muito o que falar. Após uma vitória maiúscula sobre o capenga Orlando Magic, o Hornets apanhou feio em seus dois últimos jogos. No domingo (29/01), os zangões levaram um sonoro 94 a 72 do Atlanta Hawks, em plena New Orleans Arena. Um dia depois, na segunda-feira (30/01), foi a vez do forte Miami Heat nos derrotar, lá na Florida: 109 a 95. Com esses resultados, o Hornets cumpre uma campanha 4-17 e segue na lanterna da Conferência Oeste. Diante disso, há algumas coisinhas que eu gostaria de saber:

LeBron James encara Jason Smith

1) Por que os ótimos Gustavo Ayon e Carl Landry têm jogado tão pouco tempo?

2) O Greivis Vasquez não arma melhor a equipe do que o Jarrett Jack?

3) Por que alterar completamente um time que está ganhando por 12 pontos?

4) Será que Trevor Ariza e Al-Farouq Aminu podem jogar tanto tempo juntos?

5) Quem é melhor? Dwyane Wade ou LeBron James?

Aí estão algumas perguntinhas que eu deixo para os amigos debaterem aqui. Ah, e não insistam. Eu ainda não vou falar em draft. Pelo menos, por enquanto.

* Box Score (com vídeos): contra o Hawks / contra o Heat


 FERROADAS

* ESPECULAÇÕES: Assim que o Hornets resolveu colocar o pivô Chris Kaman disponível no mercado, surgiram boatos de todos os tipos e interessados de vários lugares da América. Estão falando até em Monta Ellis nos zangões. Vamos aguardar as novidades e, principalmente, os fatos concretos.

* EM BREVE: Dentro de alguns dias, o acervo do Brazilian Hornet receberá um novo item. Ah, não é a camiseta do Hugo Chávez, hein…

COLEÇÃO: A NÚMERO 1!

Camiseta réplica verde (Away) do Charlotte Hornets, década de 1990

* Por Lucas Ottoni

Olá, amigos! Estou iniciando hoje a exposição do meu acervo pessoal aqui no Brazilian Hornet. Eu tenho algumas peças e objetos do Charlotte/New Orleans/Oklahoma City Hornets e vou postando imagens, sempre que possível, para que o pessoal dê uma olhadinha.

O primeiro item que eu resolvi mostrar é essa camiseta do Charlotte Hornets, da temporada 1995-96 (ou 1994-95, tenho essa dúvida até hoje). E essa não é qualquer camiseta! Eu não a escolhi aleatoriamente para estrear o meu acervo aqui no BH. Quem deu uma conferida na página “O BLOG“, ali do cabeçalho, já sabe do que se trata, né? Exatamente, é a primeira camiseta do Hornets que eu ganhei, em 1995, há exatamente 16 anos. E foi esse objeto que me motivou a conhecer o time e, posteriormente, a torcer por ele. Antes dessa camiseta, eu nem sabia direito o que era NBA. Então, ela é muito especial para mim, tanto que permanece conservadíssima (as fotos eu tirei hoje). Vejam os slides:

Este slideshow necessita de JavaScript.

O jogador retratado na camiseta é o grande Larry Johnson, #2, da UNLV, selecionado através da primeira escolha do draft de 1991, pelo próprio Charlotte Hornets. O cara era um ala forte, técnico e explosivo, que jogava nas posições 3 e 4 (por sinal, muito bem em ambas). Foi calouro do ano (1992), duas vezes All-Star (1993 e 1995) e um dos maiores atletas que já passaram pela franquia dos zangões. Em 1996, acabou trocado para o New York Knicks, onde encerrou a carreira em 2001, sofrendo com fortes dores nas costas. Na página “DESTAQUES“, vocês podem conferir mais informações sobre essa fera (no alto, na montagem que ilustra o nosso blog, há uma imagem dele abraçado ao baixinho Muggsy Bogues).

Então, é isso. Espero que tenham curtido o primeiro item da minha coleção. Em breve, eu seguirei postando outros objetos. Aquele abraço!

OBS: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.


 FERROADAS

* DESPEDIDA: O ala sérvio Peja Stojakovic, ex-Hornets, anunciou ontem que está se aposentando das quadras. O jogador (um exímio arremessador de longa distância) atuou com a camiseta dos zangões entre 2006 e 2010, sendo parte importante da equipe de 2007-08, que quase conduziu o New Orleans Hornets à final da Conferência Oeste. Em seu último ano na NBA, ele acabou conquistando o campeonato, pelo Dallas Mavericks. Peja encerra sua carreira aos 34 anos. Confira aqui a homenagem do blog New Orleans Hornets Brasil.

* DISPENSA: O pivô australiano David Andersen, 31 anos, não faz mais parte do elenco do New Orleans Hornets. O jogador vinha atuando na Itália durante o locaute  da NBA e teria retornado à franquia da Louisiana, onde realizou uma passagem sem muito brilho. Em 29 jogos na última temporada, ele obteve uma média de apenas 2,7 pontos. Não vai deixar saudades…

* ESPECULAÇÃO: Corre a notícia de que o New Orleans Hornets tenta a contratação do ala-pivô mexicano Gustavo Ayón, 26 anos, que atua no Baloncesto Fuenlabrada, da Liga Espanhola. Além dos zangões, Indiana Pacers e Denver Nuggets também demonstram interesse no atleta. Sinceramente, não conheço o Ayón. Um ponto de interrogação aqui.