COLEÇÃO: BONÉ NBA DRAFT 2011

Aí está a melhor coisa que nos aconteceu no draft do ano passado, concordam?

* Por Lucas Ottoni

Após uma breve pausa, o Brazilian Hornet volta com a apresentação de mais um item do nosso acervo. Dessa vez, a estrela do post é o boné lindão aí da foto. No vídeo abaixo (mais um!), eu falo sobre ele e conto a história do que “era para ter sido, mas não foi”. Sim, o pivô Josh Harrellson – hoje no Miami Heat – perdeu a chance de posar para as câmeras com esse boné maneiríssimo. O legal é que na NBA as coisas mudam o tempo todo. Há três meses, nós conseguimos o fantástico Anthony Davis com a 1ª escolha no draft. Mas há um ano atrás, a coisa foi bem, beeeeem diferente… Confira aí o vídeo e saiba tudo sobre essa peça, que foi lançada para o draft de 2011:

* Clique aqui e leia mais sobre o pivô Josh Harrellson

OBS 1: Os jogadores selecionados na segunda rodada do draft não são chamados pelo comissário da liga, David Stern, para aquele famoso e surrado aperto de mãos na frente da plateia. Apenas os 30 jovens escolhidos na primeira rodada passam por tal cerimônia – aí eles colocam o boné da franquia que os selecionou, mesmo que sejam negociados minutos depois. Portanto, é bem provável que o Harrellson – por ter sido escolhido na segunda rodada e por ter sido trocado para o NY Knicks – não tenha vestido o nosso belíssimo boné. Azar o dele, né? 

Então, esse boné muito legal ilustrou o nosso oitavo post sobre o acervo do BH. Quer dar uma olhadinha nas outras peças que foram expostas? Pois não… Veja aqui todos os itens já publicados da nossa coleção! Em breve, eu seguirei postando outros objetos relacionados ao Hornets.

Mais uma imagem da grande estrela deste post

OBS 2: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.

* RECORDE DE VENDAS: Na última segunda-feira (17/09) – também conhecida como ontem -, o Hornets anunciou que mais de 12 mil pacotes parciais ou totais de ingressos para a temporada 2012-13 já foram vendidos até o momento. O número é o maior registrado pela franquia desde a mudança de Charlotte para New Orleans, realizada em 2002. A notícia é excelente e mostra a confiança dos fãs na nova equipe dos zangões. Saiba mais detalhes aqui.

* ERIC GORDON: O ala-armador do Hornets avisou que pretende se tornar um All-Star na próxima temporada. Ok, isso é muito legal. Contudo, eu acho que o sucesso do time é bem mais importante do que metas pessoais. O ideal é que o Gordon alcance os seus objetivos jogando em prol da equipe. Dessa forma, todos têm a ganhar. Aliás, eu pretendo falar sobre esse jogador (e a atitude dele na agência livre) no nosso próximo post. Aguardem…

* WALLPAPER: Quer colocar as novas feras do Hornets na telinha do seu computador? Aí vai uma sugestão bem legal… Clique aqui!

* O TEMPO VOA…: Falta menos de um mês para a estreia dos zangões na pré-temporada da NBA! No próximo dia 07 de outubro, lá na Cidade do México, veremos Anthony Davis em ação com um uniforme do Hornets! Até que enfim!

COLEÇÃO: BOGUES MINIATURA

O boneco do Muggsy Bogues é o nosso sétimo objeto exposto aqui no BH

* Por Lucas Ottoni

Olá, amigos. Voltamos hoje a apresentar um item do nosso acervo, e com uma novidade muito legal: os tradicionais slides foram substituídos por um vídeo. Sim, um vídeo! Eu mesmo fiz e resolvi postá-lo, mesmo correndo o risco de passar vergonha com a minha voz “maravilhosa”. Mas, enfim, eu tentei… Bem, o que temos aqui é um boneco miniatura do lendário armador Muggsy Bogues, o jogador mais baixo que já passou pela NBA. Medindo apenas 1,60m, o Bogues atuou de 1988 a 1997 no saudoso Charlotte Hornets e foi um dos destaques da equipe dos zangões durante esse período. Pequenino, rápido e bom passador, ele caiu nas graças dos fãs da franquia da Carolina do Norte. Sem mais delongas, confiram o vídeo abaixo e saibam um pouco mais sobre esse boneco cabeçudo – estilo mini-craque – do Muggsy Bogues:

OBS 1: O Muggsy Bogues é um dos jogadores colocados como DESTAQUES da franquia no Brazilian Hornet. Clique aqui, leia sobre ele e veja um vídeo com o “pequeno grande” armador em ação.

Então, essa miniatura muito legal do glorioso Muggsy Bogues ilustrou o nosso sétimo post sobre o acervo do BH. Quer dar uma olhada nas outras peças já expostas? Pois não… Veja o primeiro, o segundo e terceiro itens da nossa coleção. E também o quarto, o quinto e o sexto. Em breve, eu seguirei postando outros objetos relacionados ao Hornets.

A peça foi fabricada na China durante a década de 1990

OBS 2: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.

* BENSON NO COMANDO: Conforme noticiamos via Twitter, o bilionário Tom Benson assumiu oficialmente o controle da franquia New Orleans Hornets. A compra – que já havia sido anunciada pela NBA em meados de abril – foi definitivamente aprovada na última sexta-feira (15/06). Podemos comemorar! O nosso time tem um dono!

* MUDANÇAS NA DIREÇÃO: Com a chegada oficial do proprietário Tom Benson, o presidente do Hornets, Hugh Weber, deixa o cargo. Após quase 7 anos trabalhando com os zangões, Weber dará lugar a Dennis Lauscha, que também é presidente do New Orleans Saints, da NFL (time que já pertencia a Benson). Outro executivo que está de saída é o nativo de New Orleans Jac Sperling, que havia sido designado pela NBA para conduzir a situação da venda da franquia. Mickey Loomis, gerente-geral do Saints, agora ocupará o comando das operações de basquete do Hornets e supervisionará o trabalho do GM Dell Demps. Lauscha e Loomis são os homens de confiança de Benson. Boa sorte para eles.

* ANTHONY DAVIS: O ala-pivô que deverá ser selecionado pelo Hornets com a primeira escolha do draft esteve em New Orleans nesta terça-feira (19/06), mas não realizou nenhum treinamento. Ele apenas falou com a imprensa e fez um tour pela cidade com membros importantes da franquia, o que reforça ainda mais o fato de que ele realmente será um zangão após a noite de 28 de junho. Pule de dez.

* Clique aqui e acostume-se com a imagem!

* PRÉ-DRAFT: O Hornets segue avaliando alguns jovens atletas que poderão ser candidatos à escolha de número 10 da franquia da Louisiana. Nomes como Perry Jones III e Jared Sullinger estiveram no Alario Center nesta segunda-feira (18/06) e realizaram treinos sob as vistas do técnico Monty Williams e do GM Dell Demps. Nos próximos dias, o BH falará um pouco sobre esses rapazes (e também sobre outros) – e o que eles poderão fazer pelos zangões. Aguardem!

COLEÇÃO: CARDS IMPORTADOS

Grandes jogadores do Charlotte Hornets na década de 1990 aparecem nos cards

* Por Lucas Ottoni

Após um longo período, estamos de volta com a apresentação do acervo do Brazilian Hornet. Eu sei que é em meio a um back-to-back do nosso time, mas falaremos sobre os dois jogos no post de amanhã, eu prometo. Aliás, hoje o New Orleans Hornets vai enfrentar o Phoenix Suns, lá no Arizona, às 22h (de Brasília), e o BH deve passar informações durante a partida, via Twitter (contrariando o post anterior). Não percam!

* New Orleans Hornets Brasil: a prévia do jogo

Voltemos então ao assunto principal deste post aqui, mais um item (na verdade, itens) da nossa coleção. Apresento aos amigos alguns cards importados da década de 1990, com jogadores do Charlotte Hornets. Quem acompanhou o nosso time naquele período sabe muito bem que nomes como Larry Johnson, Alonzo Mourning e Vlade Divac se destacaram com a camiseta dos zangões. Além dos cards deles, temos também o do Scott Burrell, ala que foi draftado pelo Hornets em 1993, mas que não teve tanto sucesso quanto os três citados anteriormente. Portanto, são quatro cards, todos importados dos EUA. Os de Johnson, Mourning e Burrell pertencem à temporada 1995-96 da NBA, e o do sérvio Divac é do campeonato de 1997-98. Confiram os slides abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Observando as imagens, vocês puderam perceber um “estranho no ninho” entre os cards, eu sei. É uma figurinha do ala-armador Dell Curry, um dos jogadores simbólicos da franquia Hornets. Curry atuou por dez anos com uma camiseta dos zangões e atingiu recordes (número de jogos, pontuação e cestas de três pontos) em Charlotte. Nada mal, não é mesmo? Essa figurinha é de fabricação nacional e pertence à temporada 1996-97. É a única que tenho até o momento, então resolvi colocá-la neste post. Enfim, espero que tenham curtido!

Então, esses cards (e a figurinha) ilustraram o nosso sexto post sobre o acervo do BH. Veja também o primeiro, o segundoterceiroo quarto e o quinto itens da nossa coleção. Em breve, eu seguirei postando outros objetos.

OBS: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.

Hoje nós não teremos a tradicional sessão Ferroadas, pois não há nada muito importante a se relatar neste domingão. Contudo, amanhã teremos alguns pequenos destaques. Tenham um ótimo fim de semana!

COLEÇÃO: CAMISETA #21 VASQUEZ

A caçulinha do nosso acervo: camiseta réplica (Home), # 21, Greivis Vasquez

* Por Lucas Ottoni

Hoje é noite de “Linsanity”? Não, se depender do New Orleans Hornets (6-23). Logo mais, os zangões vão encarar Jeremy Lin e o New York Knicks (15-15), em um Madison Square Garden entupido de gente. A bola irá subir às 23h (de Brasília), e o Brazilian Hornet acompanhará o jogão, via Twitter. Se o Jarrett Jack – que se recupera de contusão – não retornar ao time, caberá ao armador venezuelano Greivis Vasquez o papel de duelar contra a principal sensação da NBA. Greivis, meu amigo, eu confio tanto em você, que o quinto item da nossa coleção postado aqui no BH será em sua homenagem. Eu não preciso explicar muita coisa (pelo menos, não neste parágrafo), é só conferir os slides:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bem, todo mundo que conversa comigo sobre o Hornets sabe o quanto eu curto o jogo do Greivis Vasquez. O jeito como ele conduz a bola, a forma com que ele acha os companheiros em posição de “chute”, a boa visão de jogo e a vibração, que é a marca registrada desse armador venezuelano. Ele tem um passe muito bom e não é o tipo de jogador que ataca a cesta feito um louco. É um cara que joga para o time, para fazer o time render. Além disso, o Vasquez é o representante sul-americano do elenco dos zangões, o que torna esse atleta ainda mais valioso para nós. É verdade que ele possui aspectos a serem melhorados (como a defesa) e ainda tem um longo caminho a percorrer na NBA, mas o seu talento a ser desenvolvido é algo indiscutível. Merece essa homenagem do BH. Agora, vamos falar um pouco sobre a nossa camiseta…

Vasquez é um jogador vibrante

Ela chegou hoje e é customizada (você escolhe o nome e o número do jogador). É um modelo réplica da nossa camiseta branca (Home), sem furinhos, tamanho L (large). Eu só espero que essa camiseta número 21, com a inscrição “VASQUEZ” atrás, seja parte de um futuro vitorioso para a equipe dos zangões. O Greivis Vasquez está com 25 anos de idade e teve o seu contrato estendido com a franquia da Louisiana até o fim da temporada 2012-13. Desejo muita sorte e belos jogos a ele, nessa caminhada conosco.

Então, essa bela camiseta ilustrou o nosso quinto post sobre o acervo do BH. Veja também o primeiro, o segundoterceiro e o quarto itens da nossa coleção. Em breve, eu seguirei postando outros objetos.

OBS: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.

Hoje nós não teremos a sessão Ferroadas, pois não há nada muito importante a se destacar. Sim, o Hornets renovou com o ala-pivô Lance Thomas por mais 10 dias. Nada mais “relevante”, não é mesmo? Para terminar, eu quero que vocês tenham noção do que o Jeremy Lin representa para o nosso rival de hoje à noite e para toda a NBA:


Observando isso, uma vitória logo mais terá ainda mais sabor para os zangões. E se for com uma bela atuação do Greivis Vasquez, melhor ainda…

COLEÇÃO: CAMISETA MARDI GRAS

Camiseta swingman do New Orleans Hornets, modelo Mardi Gras

* Por Lucas Ottoni

O quinto back-to-back do New Orleans Hornets na temporada 2011-12 da NBA foi um desastre, com duas derrotas acachapantes. Mas disso, falaremos mais abaixo. Agora, eu vou seguir com a apresentação de mais um item do acervo do Brazilian Hornet. Pela fotografia aí em cima, vocês já perceberam que se trata de uma camiseta diferente, eu diria. E, na verdade, é. Essa armadura aí faz parte da linha Mardi Gras, que o Hornets lançou em homenagem ao famoso carnaval da cidade de New Orleans. A apresentação desses uniformes aconteceu no fim do ano de 2009, e eles foram utilizados pelo time dos zangões em alguns jogos nas duas últimas temporadas. A nossa camiseta traz o número 41, do James Posey. Alguém aí lembra dele? Abaixo, eu falarei rapidamente sobre esse jogador. Confiram os slides, amigos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Eu adquiri essa peça na loja oficial do Hornets, na New Orleans Arena, em março de 2010. Aí vocês me perguntam: “Mas por que logo a do James Posey, Lucas? Por que você não pegou uma do Chris Paul ou do David West?”. Simples, meus caros. As do Chris Paul, nesse modelo Mardi Gras, eram todas do tamanho pequeno (e eu meço quase 1,90 m de altura). E as do David West estavam em falta. Aí eu resolvi ficar com essa do Posey, que também jogava pelo Hornets na época. Afinal, o cara tem moral, né? Bicampeão da NBA. Então, foi assim que eu me apoderei dessa camiseta no modelo Mardi Gras, a única que tenho no acervo do BH (por enquanto).

James Posey: ex-Hornets

Bom, vou falar um pouquinho sobre o James Posey. Bicampeão da NBA (em 2006, pelo Miami Heat, e em 2008, pelo Boston Celtics), esse ala jogou pelo New Orleans Hornets entre 2008 e 2010, e depois foi trocado (junto com o armador Darren Collison) para o Indiana Pacers. Nesse movimento, o Hornets recebeu o ala Trevor Ariza, que segue com a equipe da Louisiana. Ah, o Posey não deixa saudades na torcida dos zangões. Jogador relativamente caro e que não produziu metade do que se esperava dele. Atualmente, possui 35 anos de idade e está sem clube.

Então, essa bela camiseta ilustrou o nosso quarto post sobre o acervo do BH. Veja também o primeiro, o segundo e o terceiro itens da nossa coleção. Em breve, eu seguirei postando outros objetos.

OBS: Você tem algum objeto ou relíquia dos zangões? Mande imagens para o Brazilian Hornet, através do nosso e-mail: br_hornet@hotmail.com. Assim que possível, eu postarei aqui no blog.

Para fechar este post, vamos falar rapidamente sobre o nosso quinto (e desastroso) back-to-back. Na verdade, não há muito o que falar. Após uma vitória maiúscula sobre o capenga Orlando Magic, o Hornets apanhou feio em seus dois últimos jogos. No domingo (29/01), os zangões levaram um sonoro 94 a 72 do Atlanta Hawks, em plena New Orleans Arena. Um dia depois, na segunda-feira (30/01), foi a vez do forte Miami Heat nos derrotar, lá na Florida: 109 a 95. Com esses resultados, o Hornets cumpre uma campanha 4-17 e segue na lanterna da Conferência Oeste. Diante disso, há algumas coisinhas que eu gostaria de saber:

LeBron James encara Jason Smith

1) Por que os ótimos Gustavo Ayon e Carl Landry têm jogado tão pouco tempo?

2) O Greivis Vasquez não arma melhor a equipe do que o Jarrett Jack?

3) Por que alterar completamente um time que está ganhando por 12 pontos?

4) Será que Trevor Ariza e Al-Farouq Aminu podem jogar tanto tempo juntos?

5) Quem é melhor? Dwyane Wade ou LeBron James?

Aí estão algumas perguntinhas que eu deixo para os amigos debaterem aqui. Ah, e não insistam. Eu ainda não vou falar em draft. Pelo menos, por enquanto.

* Box Score (com vídeos): contra o Hawks / contra o Heat


 FERROADAS

* ESPECULAÇÕES: Assim que o Hornets resolveu colocar o pivô Chris Kaman disponível no mercado, surgiram boatos de todos os tipos e interessados de vários lugares da América. Estão falando até em Monta Ellis nos zangões. Vamos aguardar as novidades e, principalmente, os fatos concretos.

* EM BREVE: Dentro de alguns dias, o acervo do Brazilian Hornet receberá um novo item. Ah, não é a camiseta do Hugo Chávez, hein…