UM TIME CHAMADO BUCCANEERS

A logo do New Orleans Buccaneers

*Por Lucas Ottoni

Noite de jogo, amigos! O New Orleans Hornets volta à quadra, logo mais, para a sua sexta partida na temporada 2011-12 da NBA. O adversário é o perigoso Philadelphia 76ers, e a bola subirá na New Orleans Arena, às 23h (de Brasília). Espero que, com o provável retorno do ala-armador Eric Gordon, os zangões interrompam a série de três derrotas consecutivas. Ok, mas este post aqui vai destacar um outro assunto, uma outra época, uma outra liga, um outro time. Talvez você nunca tenha ouvido falar, mas, em meados da década de 1960, existiu, na terra do jazz, uma equipe de basquetebol profissional chamada New Orleans (depois Louisiana) Buccaneers. Os Bucaneiros (traduzindo o nome para o nosso idioma) jogavam no campeonato promovido pela ABA (American Basketball Association), uma espécie de liga rival da NBA naqueles tempos.

ABA: uma liga diferente

Falando sobre a ABA, essa liga foi fundada em 1967, contava com 11 times e era voltada para um basquetebol mais ofensivo, com algumas regras que a diferenciavam de sua rival, a NBA. Por exemplo, nos jogos da ABA, o tempo de ataque permitido a uma equipe era de 30 segundos, diferente dos 24 usados (até hoje) na NBA. E foi na ABA que surgiram os primeiros arremessos da linha de três pontos, algo que revolucionou o basquete. Além disso, a bola utilizada nessa liga era toda colorida, uma mistura de vermelho, branco e azul. Bastante diferente da consagrada bola laranja, não é? Essas discrepâncias colocaram a ABA como uma alternativa mais exuberante para os fãs de basquete. Contudo, apesar do número crescente de torcedores, essa liga “rebelde” acabou não se sustentando. A falta de um contrato televisivo de proporções nacionais e as grandes perdas financeiras significaram o fim da linha. Em 1976, menos de uma década após sua criação, a ABA se fundiu à NBA.

Então, o New Orleans Buccaneers era um desses 11 times que integravam a ABA, em 1967.  O símbolo da equipe era um pirata (o bucaneiro) quicando uma bola e segurando um facão (conforme pode ser visto na imagem lá em cima), e o proprietário da franquia, na verdade, era um grupo formado por sete investidores. Na camiseta, a abreviação “Bucs” aparecia em destaque, e os uniformes apresentavam as cores da ABA (azul, vermelho e branco). O Buccaneers jogava na Divisão Oeste da ABA e mandava seus jogos em uma arena chamada Loyola Field House, com uma média de pouco mais de 2 mil torcedores por partida (em seu último ano na Louisiana, o time jogou no Tulane Gym, atual Fogelman Arena).

Em sua primeira temporada, 1967-68, a equipe terminou na liderança da Divisão Oeste, com 48 vitórias e 30 derrotas. Na final da divisão, derrotou o Dallas Chaparrals, em cinco jogos (4 a 1), e sagrou-se campeão do Oeste da ABA. Na grande decisão do campeonato, o Buccaneers chegou muito perto do título da liga, mas acabou derrotado pelo Pittsburgh Pipers, por 4 a 3, em uma série duríssima de sete jogos. Um dos destaques daquele time do Buccaneers era o armador Larry Brown, hoje renomado técnico da NBA.


Após o belo ano de estreia, o Buccaneers existiria por apenas mais duas temporadas. Em 1968-69, o time fez outra boa campanha na Divisão Oeste, terminando na segunda colocação, com 46 vitórias e 32 derrotas. A média de público nos jogos da equipe aumentou para quase 3 mil fãs. Liderado por Red Robbins e Steve Jones, o Buccaneers avançou novamente às finais da Divisão Oeste. No entanto, dessa vez, caiu diante do Oakland Oaks (novo time de Larry Brown), por incontestáveis 4-0.

Na temporada 1969-70, o Bucs obteve 42 vitórias e 42 derrotas. Isso colocou o time em quinto lugar (último) na já altamente competitiva Divisão Oeste, deixando o Buccaneers fora dos playoffs. Os jogos do time apresentaram média de 2.599 torcedores (em casa).

* Confira aqui os três elencos completos do Buccaneers

Já em 1970-71, a franquia teve seu nome rebatizado e se tornou Louisiana Buccaneers. A ideia era realizar jogos por todo o Estado, atuando em lugares como Shreveport, Lafayette, Monroe e Baton Rouge, além de New Orleans. Como a maioria das equipes da ABA, o Bucs não era forte financeiramente, e, por isso, esperava-se que o plano de tornar a franquia “regional” pudesse dar certo e gerar mais renda aos cofres do time. No entanto, o fim do Louisiana Buccaneers foi decretado em 21 de agosto de 1970. Sufocada por problemas financeiros, a franquia acabou comprada por um novo proprietário e, dez dias depois, foi transferida para Memphis, Tennessee, recebendo o nome de Memphis Pros.

CP3, com um belo uniforme do Bucs

Atual time de basquete profissional da cidade de New Orleans, o nosso Hornets já se tornou Buccaneers, em algumas ocasiões. Deixa eu explicar: em 10 de dezembro de 2008, em um jogo contra o Charlotte Bobcats, os zangões reviveram (pela primeira vez) o Buccaneers e jogaram com uniformes idênticos aos da temporada 1967-68. O intuito ali era relembrar os 40 anos da criação daquele time. Muitos torcedores do Hornets também estavam vestidos com roupas do Bucs, um vídeo com os antigos destaques da equipe foi mostrado ao longo da partida, e alguns jogadores e treinadores daquela época foram homenageados no intervalo. O Hornets acabou derrotando o Bobcats, por 105 a 89. Após a novidade, o Hornets atuou com o uniforme do Buccaneers em apenas mais três oportunidades (sinceramente, não me recordo de outras):

16/01/2009: derrota para o Cleveland Cavaliers (78 a 92)

28/01/2009: vitória sobre o Denver Nuggets (94 a 81)

27/02/2009: vitória sobre o Milwaukee Bucks (95 a 94)

Um saldo de 3 vitórias e 1 derrota não é nada mal. De repente, seria uma ótima ideia revivermos esses uniformes do Bucs nessa temporada 2011-12, não é mesmo? Um pouquinho de superstição não faz mal a ninguém. Principalmente, quando o retrospecto é positivo.

* Clique aqui e saiba mais sobre o Buccaneers (em inglês)

OBS: Quando estive na loja do Hornets, na New Orleans Arena, em 2010, eu peguei uma camiseta do Bucs, olhei para ela e pensei: “Compro, ou não compro?”. Não comprei. E esse é um dos arrependimentos que tenho até hoje.


 FERROADAS

* NOVO REFORÇO: O New Orleans Hornets acaba de contratar o ala-armador Xavier Henry, 20 anos, do Memphis Grizzlies. Para ceder Henry aos zangões, a franquia do Tennessee recebeu uma escolha de segunda rodada no draft de 2013 e a repassou ao Philadelphia 76ers, em troca do pivô Marreese Speights, em uma negociação envolvendo as três equipes. O Sixers ficou com duas escolhas de segunda rodada. Henry está em seu segundo ano na NBA e ainda não jogou nenhuma partida na atual temporada. Ele fez 38 jogos em 2010-11, com média de 7.8 pontos. Foi adquirido pelo Grizzlies, na 12ª escolha do draft de 2010. E eu acho que o Trey Johnson vai rodar…

* New Orleans Hornets Brasil: a prévia do jogo (contra o Sixers)

* DÚVIDA E CERTEZA: A participação do ala-armador Eric Gordon no jogo de daqui a pouco, contra o Sixers, ainda é um ponto de interrogação. Ele se recupera de uma lesão no joelho direito e tem chance de retornar ao time. Já o ala Trevor Ariza está mesmo fora da partida de hoje. Ele sente dores na virilha e deve ser substituído por Al-Farouq Aminu (mas eu não descartaria o Belinelli). Se o Gordon não jogar…

Anúncios

11 pensamentos sobre “UM TIME CHAMADO BUCCANEERS

    • Obrigado, Kaio. É, eu me arrependi de não a ter comprado quando tive a chance. Coisas da vida… rs

      Sim. Que venha o Sixers. E, principalmente, que venha o Gordon. rs

      Abço!

  1. Bem, desconhecia por completo essa dos “Bucs”. Bem jogado.

    Quanto ao Xavier Henry é mais um excelente negócio de Demps. Explicando, os Hornets oferecem uma pick da 2ª ronda aos Sixers. Quantos jogadores da 2ª ronda viraram craques na NBA? Muito poucos, por isso vale a pena. Os Hornets recebem um jogador que foi a 12ª escolha do draft 2010, ou seja, basicamente, trocamos uma 2ª ronda pela 1ª, o que é um optimo negocio. Agora é deixar o jogador de apenas 20 anos evoluir.

    Cumprimentos.

    • Com certeza, Sergio. Foi uma boa jogada do Demps, sim. Ele está claramente querendo formar um núcleo jovem para o futuro. E, com isso, colher frutos por muito, muito tempo. E acho que é esse o caminho. Dentro de dois anos, poderemos ter um time muito forte. Tomara!

      Sobre o Buccaneers, eu também não sabia muito sobre eles. Tive que pesquisar bem para escrever este post. Mas foi legal. Adoro conhecer coisas novas.

      Abço!

  2. Engraçado. Nem faz tanto tempo assim, fui pesquisar sobre times que já passaram pelo estado da Louisiana e me deparei com o próprio New Orleans Buccaneers. No começo, pensara que era da NFL (por causa da equipe de Tampa), depois que percebí que era um time de basquete da extinta ABA.
    Muito bacana ter resgatado isso Lucas…..e que o “craque italiano” não jogue + do que 15 minutos hoje

    • Valeu, Ricardo. Eu também sabia muito pouco sobre o Buccaneers. Quando vi o Hornets com aquela camiseta branca escrito “Bucs” há três anos, eu me perguntei: “O que é isso?”… rs… Depois é que vi que tinha sido um time de basquete que passou por New Orleans muitos anos antes. Mas só peguei melhores informações agora, para fazer este post.

      “Craque italiano” é muito boa, hein… rsrsrs… estamos sofrendo um pouquinho nesse início de temporada… rs

      Abço, Ricardo!

      • Epah, por falar em craque italiano. Só espero que a armada azzurra esteja em baixo de forma quando jogar contra Portugal. Os “tugas” ficaram encalhados num grupo com Turquia (mt forte), Itália (forte), Rep. Checa (acessivel) e Bielorrussia (mt acessivel), no apuramento para o Eurobasket 2013…

  3. esse henry é SG?tomara q sim,menos minutos pro bellineli

    e hj vai ser dificil o sixers tem o iguodala e o evan turner q são bem perigosos e tomara q o gordon jogue

  4. Uau, Sergio. Grupo forte mesmo, hein rapaz. Se Turquia e Itália jogarem com todos os atletas da NBA, será bem complicado. Apesar do Belinelli estar mal, os italianos têm Gallinari e Bargnani (esse é excelente!). E a Turquia conta com bons atletas: Turkoglu, Ilyasova, Asik… Boa sorte para vocês, nossos patrícios… rs

    Abço!

  5. Daniel. Sim, o Henry é SG. É inexperiente e um pouco “cru” ainda, mas é muito talentoso. Tem potencial para se tornar um ótimo jogador na NBA. E do jeito que o Belinelli vem jogando, o Henry pode receber minutos generosos logo de cara. Veremos…

    Jogo complicado hoje. Principalmente se o Gordon não jogar. O Ariza já está fora. Se o Gordon não voltar, acho que uma derrota será o quadro mais provável para nós. Mas vamos torcer, né?

    Abço!

  6. Pingback: JOGOS DE TRÊS PERÍODOS | Brazilian Hornet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s