PERGUNTAS E RESPOSTAS # 1

O New Orleans Hornets tem sofrido para se encontrar na temporada 2011-12

* Por Lucas Ottoni

Olá, caros amigos. Nosso post de hoje inaugura uma série de debates que eu pretendo promover com outros blogueiros e o pessoal especialista em New Orleans Hornets e NBA. O objetivo aqui é expor opiniões, interagir e responder perguntas sobre a franquia, os jogadores, a atual temporada, etc. A partir de diferentes pontos de vista, tentaremos trocar ideias sobre assuntos relacionados aos zangões. Para este post de estreia, eu convidei três amigos. São eles: Kaio Kleinhans e Rafael Bittencourt, membros do blog New Orleans Hornets Brasil, e Michael Wawrzycki, do blog americano Hornets Hype. Seis questões foram levantadas, e eles não “ficaram em cima do muro”. Eu aproveitei e também entrei neste debate. Peguem uma cervejinha e confiram!

1 – Antes do início da temporada regular, qual a sua expectativa em relação à campanha do Hornets nos 66 jogos? Chegou a acreditar em classificação para os playoffs?

Kaio Kleinhans: Olha, depende muito. Se o Chris Paul tivesse permanecido conosco, eu arriscaria uma campanha 36-30. Sem ele, e jogando para ganhar, eu iria de 28-38. Agora, jogando como está (o time parece que quer perder), eu vou de 12-54.

Michael Wawrzycki: Com um Eric Gordon saudável, além de Monty Williams no comando, eu não duvidaria que o Hornets pudesse vencer  entre 30 e 40 jogos.  Chegaríamos aos playoffs, mas cairíamos logo na primeira rodada.

Lucas Ottoni: Com todo o time saudável, eu acreditava (sendo bastante otimista) em um 7º ou 8º lugar no Oeste. Entre 32 e 36 vitórias. O fato é que o Eric Gordon se machucou, o time começou a perder os jogos e não vem apresentando o menor padrão. Você não sabe se os atuais titulares do Hornets continuarão titulares daqui a uma semana. Um jogador que hoje joga 10 minutos por jogo, pode estar jogando 30 na próxima semana (e vice-versa). O Monty Williams vem realizando muitas mudanças na rotação, mexendo, testando demais. Então, eu vejo que o planejamento é para o futuro mesmo.

Rafael Bittencourt: Confesso que a expectativa não era das maiores. Playoffs, eu já descartava desde o início. Mesmo assim, esperava uma campanha mais equilibrada, talvez um 28-38.

2 – Qual o principal fator que levou o Hornets a uma campanha tão ruim, até o momento?

Kaio Kleinhans: Para mim,  o principal fator é a má vontade nos momentos decisivos. O time não parece empenhado em vencer os jogos. Além disso, eu destaco a falta de experiência do treinador e de alguns jogadores.

Michael Wawrzycki: As lesões têm sido o nosso maior problema nessa temporada. Eric Gordon é o melhor pontuador da nossa equipe. Essa perda foi realmente brutal. Já tivemos ausências de Trevor Ariza e Jarrett Jack, e, agora, Carl Landry e Jason Smith. Dói demais quando o seu elenco não tem profundidade. As lesões estão arrasando com a nossa campanha.

Lucas Ottoni: Eu poderia listar, pelo menos, uns cinco fatores. Mas creio que o principal deles é a nossa falta de talento ofensivo. Perdemos inúmeros jogos por não termos poder de fogo. Nosso ataque foi simplesmente horrível em várias e várias partidas, e eu creio que isso acabou por comprometer totalmente a nossa temporada. A ausência do Eric Gordon também está ligada a esse fator, é claro.

Rafael Bittencourt: O principal motivo para estarmos no fundo do poço (e da tabela) é o péssimo rendimento dos jogadores que vieram na troca pelo Chris Paul. Mesmo que o time tenha perdido os seus dois maiores jogadores (CP3 e David West) na offseason, Eric Gordon e Chris Kaman tinham nome para, pelo menos, fazerem do Hornets uma equipe competitiva. O Gordon deu mostras (pequenas) de que tem talento e pode render ainda com a nossa camiseta, mas esteve a maior parte do tempo afastado por lesão. Já o Kaman nem chegou aos pés do que era esperado: uma liderança ofensiva e de qualidade no garrafão. Ele teve alguns bons jogos no início, mas logo virou um jogador ridículo, colocado, inclusive, de lado pela diretoria do Hornets. Por fim, o Al-Farouq Aminu, que dava alguma esperança de crescimento e afirmação para alguns, mas mostrou-se um jogador fora de sua “liga natural”, que deveria ser um NBB da vida, no máximo.

3 – Na sua opinião, que jogador é a surpresa positiva do time nessa temporada?

Kaio Kleinhans: Greivis Vasquez. Na minha opinião, ele é o melhor jogador do nosso time na temporada.

Michael Wawrzycki: A surpresa positiva é a melhor participação do Emeka Okafor no setor ofensivo. Ele tem executado bem os “chutes” de média distância e os ganchos, algo que ele sempre teve enorme dificuldade para fazer ao longo da carreira. É difícil entender o motivo pelo qual  ele não vem sendo acionado no ataque com mais freqüência. Eu também destaco o crescimento contínuo de Jason Smith como um jogador, especialmente a sua habilidade defensiva (evidenciada por uma taxa maior de bloqueios nos jogos) e a evolução de suas jogadas ofensivas, explorando melhor o bom arremesso que ele sempre teve.

Lucas Ottoni: Eu fico com o Gustavo Ayon. Eu simplesmente não conhecia nada sobre esse jogador, então ele é uma boa surpresa para mim. O mexicano tem qualidade com a bola nas mãos, sabe como encontrar espaços e criar o próprio arremesso. Além disso, é esforçado na defesa e sempre traz muita energia quando sai do banco de reservas. Como titular, ele não conseguiu reeditar as suas boas atuações anteriores, mas eu não vejo problema algum nisso. Afinal, ele está iniciando a sua caminhada na NBA. Também vou destacar o Greivis Vasquez, armador habilidoso e de boa estatura. Adoro o jogo desse cara, e ele vem realizando boas atuações.

Rafael Bittencourt: A surpresa positiva são os latinos do Hornets. Greivis Vasquez e Gustavo Ayon vêm jogando muito bem e mostrando que podem ter lugar em um futuro de sucesso do time. Para o armador venezuelano, cabe ainda ressaltar a excelente troca que conseguimos: o Quincy Pondexter por ele. Foi um ótimo negócio, a meu ver.

4 – E a surpresa negativa? Quem é?

Kaio Kleinhans: É difícil apontar um. Eu acho que, talvez, o técnico Monty Williams, com suas trocas estranhas, formações erradas e teimosias, em alguns casos. Os jogadores estão rendendo o que já se esperava deles. Pelo menos, o que eu esperava.

Michael Wawrzycki: Dessa vez, eu não vou olhar para os jogadores. A surpresa negativa, para mim, é o técnico Monty Williams. Algumas decisões dele são desconcertantes, na minha opinião. No ano passado, foi a preferência sem sentido por Willie Green sobre Marcus Thornton. Agora, é a sua hesitação em dar minutos a Gustavo Ayon e Xavier Henry. Uma vez que DaJuan Summers foi cortado, esperávamos que Henry obtivesse mais tempo em quadra. Só que, em vez disso, vemos Marco Belinelli monopolizando os minutos, bem como os combo guards (Jarrett Jack e Greivis Vasquez), que têm jogado juntos. Da mesma forma, com Jason Smith e Carl Landry lesionados, esperávamos muito mais tempo para o Ayon, que tem se apresentado bem. Em vez disso, ver caras como Lance Thomas jogando é decepcionante, apesar de que Ayon tem aparecido no time titular. Honestamente, eu acho que Ayon deveria começar os jogos para o resto da temporada, independentemente da saúde de Smith ou Landry.

Lucas Ottoni: Eu poderia ir de Eric Gordon, mas esse cara se lesionar já não é surpresa para ninguém. Eu poderia ir de Chris Kaman, que não é no Hornets o mesmo jogador que era no Clippers. Eu poderia ir de Marco Belinelli, caso eu realmente acreditasse em uma grande evolução dele. Eu poderia ir até de Monty Williams, mas escolhi um jogador que eu gosto demais: Carl Landry. Justamente pelo fato de conhecer e adorar a qualidade desse cara, eu estou decepcionado com a participação dele nessa temporada. Eu esperava bem mais desse jogador. Irregular é a palavra que encontro aqui.

Rafael Bittencourt: Chris Kaman, sem sombra de dúvidas. Pode até não ser o pior jogador, em termos de rendimento, mas se considerarmos o seu potencial e o papel que vem cumprindo no time, ele não realizou 10% do que pode. E números enganam. Mesmo com alguns duplos-duplos, Kaman foi inútil até agora e já deveria estar afundando outra equipe.

5 – Que tipo de troca (realista) você faria hoje para melhorar o elenco do Hornets?

Kaio Kleinhans: Um pacote com Emeka Okafor, Trevor Ariza ou Jarrett Jack e a escolha do Wolves no draft, por um jogador All-Star. Talvez, Okafor + Ariza + a escolha do Wolves = Andre Iguodala + alguém. Ou pelo Danny Granger.

Michael Wawrzycki: Pessoalmente, eu gosto do Chris Kaman. No entanto, hoje eu o trocaria por, pelo menos, um jogador jovem (de preferência um ala-armador) + uma escolha de primeira rodada no draft.

Lucas Ottoni: Eu até pensei em trocarmos o Trevor Ariza, mas o Al-Farouq Aminu ainda é muito “cru” para assumir a titularidade da nossa ala. O Chris Kaman deverá ser trocado, então isso já é praticamente uma realidade. Portanto, a minha bola da vez chama-se Jarrett Jack. Ele seria um bom Sexto Homem em muitas equipes fortes, um combo guard para sair do banco e dar o “soco” de pontuação. Vê-lo como armador titular do Hornets não me agrada. Ele pontua bem, mas não sabe organizar o nosso ataque, além de defender pessimamente. E o Greivis Vasquez está mais do que pronto para ser o armador titular desse nosso time atual. Afinal, o objetivo agora é desenvolver os jovens que temos. Então, eu tentaria colocar o Jack nesse comércio do Kaman e conseguir algo melhor do que alguns jovens de talento questionável + uma escolha no draft.

Rafael Bittencourt: Só vejo dois jogadores possíveis para serem trocados: Chris Kaman e Jarrett Jack. Kaman deveria ser negociado por alguma escolha do draft de 2012 + algum jogador jovem, seja ele promissor e/ou expirante. O Hornets até tentou, porém não conseguiu nada de concreto para se livrar do pivô alemão. Já o Jack, eu acredito que tenha espaço em algum time forte da NBA, para ser um bom jogador vindo do banco. Mesmo assim, as opções de troca não são das mais amplas, e ele deve ficar em New Orleans mesmo (o que é uma pena, pois atrasa o crescimento do Greivis Vasquez).

6 – Cite três fatos que, na sua opinião, precisam acontecer para o Hornets se tornar um candidato ao título da NBA.

Kaio Kleinhans: Em primeiro lugar, um dono que queira investir no time. Depois, Eric Gordon e os calouros que selecionarmos precisam se tornar tudo o que esperamos deles. Por fim, talvez mudar para um grande centro, uma cidade que possa atrair grandes jogadores.

Michael Wawrzycki: A equipe precisa estar saudável, esse é o primeiro ponto. Depois, temos que conseguir uma futura grande estrela no draft de 2012.  Além disso, Monty Williams deve se descobrir como treinador, mostrar mais convicção em suas decisões e se sentir mais seguro, confortável com suas escalações .

Lucas Ottoni: O primeiro deles é fácil: um dono disposto a investir no time. O segundo fato é a aquisição de duas futuras estrelas (provavelmente no draft) para se juntarem ao Eric Gordon (caso ele permaneça em New Orleans para as próximas temporadas). E o terceiro fato é a evolução bem sucedida de jogadores como Smith, Ayon, Vasquez, Aminu e Henry. Pois, com isso, teríamos também uma base forte.

Rafael Bittencourt: Um comprador precisa aparecer e investir realmente no time, sem ligar para tetos ou multas, como o Mark Cuban fez com o Dallas Mavericks. Isso é o principal. Depois, temos de usar a nossa provável escolha top 5 para draftar “o novo LeBron James”, algum jogador que já entre na liga dominante e que lidere o nosso time rumo às vitórias. Se não der para ser “o novo LeBron”, um Kyrie Irving um pouquinho melhor já seria o suficiente. Se essas duas situações derem errado ou não acontecerem, a única esperança é mudar de ares: uma nova cidade, nova torcida, etc, talvez fizessem bem para a franquia, podendo até ajudar na busca por um dono, caso ele não apareça em New Orleans.

Pronto, finalizamos o primeiro debate no Brazilian Hornet. Eu aproveito para deixar os meus agradecimentos ao Kaio e ao Rafael, parceiros de longa data, e também ao nosso participante internacional, o Michael (thanks, man!). Vocês abrilhantaram este nosso post! E espero que os leitores tenham gostado. Quem quiser discordar de alguma coisa que foi escrita, ou mesmo expor as suas próprias opiniões, é só escrever aí embaixo, nos comentários. Seria uma bela maneira de prolongarmos um pouquinho estes assuntos abordados. No próximo debate, deveremos ter novos convidados participando. Aguardem!


 FERROADAS

* HORNETS VS JAZZ: Os zangões voltarão à quadra, nesta segunda-feira (13/02), às 23h (de Brasília). O adversário é a equipe de Utah, e o duelo acontecerá na New Orleans Arena. O Brazilian Hornet deve acompanhar, via Twitter. Siga o BH e fique por dentro de tudo o que acontecerá ao longo da partida. É hora de voltar a vencer!

* New Orleans Hornets Brasil: a prévia do jogo

* JARRETT JACK DE MOLHO: O armador titular do Hornets está com o joelho esquerdo lesionado e desfalcará o time por, pelo menos, uma semana. Com isso, o venezuelano Greivis Vasquez começará as próximas partidas na armação dos zangões. Donald Sloan aparece como opção imediata no banco de reservas. Eu gostei da estreia do Sloan, na partida contra o Portland Trail Blazers. Me pareceu ter mais qualidade do que o “Squeaky” Johnson.

About these ads

16 comentários sobre “PERGUNTAS E RESPOSTAS # 1

  1. Muito bom esse post cara ! ótima ideia ein. O blog tá muito bom.
    e espero que me chame alguma vez pra responder algumas perguntas ein =P

  2. É verdade, lendo as perguntas, dá vontade de respondê-las! Mesmo não torcendo pro Hornets, gosto do blog.

    • Valeu, Gabriel. Seja bem-vindo ao Brazilian Hornet. E se quiser responder às perguntas aqui neste espaço, fique à vontade. Aliás, para qual time da NBA você torce?

      Abraço!

  3. opa, luke.. tamos nois aki de novo!!.. hehe

    respondendo rapidamente.. minhas opiniões:

    1 – sem cp3 e d-west eu nao acreditei mto no hornets. 20-46. E acho q nem conseguiremos chegar la.
    2 – falta time. nao temos um grande time. as outras ekipes tem jogadores mais qualificados, pelo menos um astro. por isso nos vençem.
    3 – gervis vasquez. nao vi esse guri jogando no memphis. baita burrice do memphis ter nos dado ele pelo pondexters.
    4 – marco belineli. achei ki ele fosse melhorar. mais é um caso perdido mesmu.
    5 – eu trocaria o okafor e o ariza por alguém. talvez um bom ala. e pegaria um bom pivo no draft. kem sabe naum conseguimos um otimo big man?
    6 – um dono, uma ou duas estrelas e bons role players. essa é a formula pra ser campeao eu achjo.

    abraços rapaz!! muito foda esse blog!!

    • Obrigado, grande Bruno. E a sua resposta 6 é perfeita. Eu escrevi algo muito parecido na minha resposta. É exatamente assim que eu penso também.

      Ah, e esperamos você hoje para acompanharmos o jogo contra o Jazz, hein… rs

      Abço!

  4. Vi um jogo da NBB esse final de semana, Flamengo x Liga Sorocabana. Tem um americano muito bom nesse time, acho que Aminu passaria dificuldades até mesmo aqui no Brasil, então retiro o que disse sobre isso. Foi um jogo bem legal, surpreendente até.

    Quanto ao resto, o post ficou muito bom, valeu por me convidar, Lucas.

    • Rafa, eu assisti a esse jogo também. A Liga Sorocabana tem um armador americano baixinho, acho que o nome dele é Downing ou algo parecido. Ele foi o melhor em quadra, mas escorregou em um lance decisivo e perdeu a bola no fim. Aí o Fla acabou vencendo. Muito azar… rs

      E eu é que agradeço a sua participação.

      Abço!

    • Muito legal mesmo o site. Além do Dawkins, eles têm um outro jogador americano, um tal de Trepagnier. Ele já passou por Cavaliers e Nuggets, na NBA. Sinceramente, não me lembro do rapaz.

      Abraço!

  5. 1 – Com os jogadores que vieram do Clippers, pensei que a equipe iria sim brigar por uma vaga nos playoffs. Pensei que o time iria vencer mais de 30 jogos.

    2 – O que logo vem à cabeça é a lesão do teoricamente melhor jogador do time, Eric Gordon. Antes do início da temporada, quando ainda estava no Clippers (saudável), poderia tranquilamente apostar que Gordon iria para o All-Star Game. A má fase de Chris Kaman também atrapalhou.

    3 – Acho que Gustavo Ayon. Pouquíssima gente conhecia o mexicano, que mesmo estando a pouco tempo na NBA, já mostrou que tem talento. A tendência é que evolua seu jogo e torne-se titular. Vasquez também merece ser lembrado, que chegou ao Hornets numa troca de última hora com o Grizzlies.

    4 – Chris Kaman. Esperava que ele desse uma contribuição de qualquer jeito, vindo do banco, jogando de titular, de pivô, de ala/pivô, tanto fazia. Mas achei que ia se dar bem no Hornets, afinal, já teve até aparição em All-Star Game. Se bem que hoje fez um partidaço contra o Jazz.

    5 – Trocaria Jarrett Jack, Chris Kaman, Carl Landry e a escolha do Wolves por um bom jogador de garrafão e um bom armador jovem, como Rodney Stuckey, e talvez alguma outra coisa.

    6 – Alguém tem que comprar a equipe, depois movê-la para uma grande cidade. Depois, dar sorte na loteria do draft e pegar um jogador talentoso, não importa sua posição. Poderia ser Anthony Davis, ou Harrison Barnes. E se desse, voltar no tempo para não deixar Darren Collison e Marcus Thornton sairem.

    Abs

    • Excelentes respostas, Gabriel. Deixa eu comentá-las:

      1 – Exatamente. No início da temporada, esperava-se que o Hornets tivesse o seguinte quinteto: Jack, Gordon, Ariza, Landry e Okafor ou Kaman. Com Vasquez, Belinelli, Smith, Ayon, etc, no banco de reservas. É um bom time. Não é time para 5-23, concorda? Então, a expectativa não era assim tão ruim. As lesões e o pouco tempo para treinamento complicaram tudo.

      2 – Concordo plenamente. Nada a acrescentar.

      3 – O mesmo da resposta 2.

      4 – Ontem, ele fez um partidaço. Mas acho que será trocado. É uma pena que ele não teve outras exibições como a de ontem, pelo Hornets. Talvez, tenha sido a primeira e última grande exibição dele com a nossa camiseta.

      5 – É interessante. Embora o jogo do Stuckey me lembre um pouco o do Jack. E esse homem de garrafão? Quem seria? rs… O meu sonho é o LaMarcus Aldridge. Sou fã do talento desse cara. Mas isso não passa de sonho, né? rs

      6 – Que saudade do Collison e do Thornton… Vi eles jogando, ao vivo, com a nossa camiseta, em 2010. Como são bons esses moleques!

      Valeu, amigo! Abraço!

      • Então, sobre a 5, realmente pensar em Rodney Stuckey é bobagem, ele também é um combo guard. Que tal Kyle Lowry? Jogador interessante, esse sim é um armador mais “puro” como dizem…até porque o Houston Rockets demonstrou interesse em Chris Kaman, mas seria difícil deles liberarem seu armador. E realmente, Carl Landry + escolha do Wolves por LaMarcus Aldridge seria (bem) difícil…mas dava pra conseguir algum bom jogador. Então vamos tentar de novo: Chris Kaman + Jarrett Jack por Kyle Lowry + Jordan Hill + Patrick Petterson, e depois Carl Landry + Al Farouq-Aminu + escolha do Wolves por David Lee. Que tal?

        Abs

  6. Ah, melhorou bastante! rs

    Lowry é um ótimo armador. Com ele de titular e o Vasquez de reserva, estaríamos muito bem servidos. Mas eu duvido muito que o Rockets libere o jogador. E sobre o David Lee, eu adoro o jogo desse cara também. O problema é que ele não é um bom defensor. Aí o Monty Williams não ficaria nada feliz. Nosso técnico tem uma filosofia de defesa, e eu não sei se o Lee se encaixaria nessa filosofia. Vale lembrar que o Thornton foi trocado justamente por isso. Por não ser um bom defensor. Mas eu gosto do Lee, ainda assim.

    Abraço!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s